Possibilidades na prática clínica com adolescentes sob a ótica da gestalt-terapia

Autores

  • Karol Rodrigues Maes

Resumo

Este artigo teve como objetivo abordar as possibilidades na prática clínica individual com adolescentes sob a ótica da Gestalt-terapia, tendo como foco as possibilidades vivenciais de intervenção. Porém, para que essas possibilidades contemplem as necessidades do adolescente e para que façam sentido na relação terapeuta- cliente é preciso pensar para quem, para quê, quando, onde e como utilizá-las. Por isso, refletiu-se sobre o conceito de adolescente, incluindo as suas singularidades e comunalidades e o cuidado de não generalizá-lo e estereotipá-lo. Para tal cuidado, abordou-se, também, o conceito de desenvolvimento para a Gestalt-terapia, que não acredita em fases de idade pré-definidas. Além disso, refletiu-se sobre as possibilidades na prática clínica, desde a chegada do adolescente ao consultório, passando pela entrevista, pela compreensão diagnóstica, pelo contrato psicoterapêutico, pela psicoterapia em si e, por fim, pelo contato, sem o qual não haveria a humanidade no trabalho. Com todos esses cuidados, pôde-se copilar as possibilidades vivenciais de intervenção. Concluiu-se que, além das especificidades, há muitas possibilidades de adolescer, portanto, o trabalho psicoterapêutico precisa estar em consonância com essa variedade e, assim, disponibilizar um vasto e criativo arsenal psicoterapêutico.

Palavras-chave:

Adolescente, Gestalt-terapia, Psicologia Clínica

Biografia Autor

Karol Rodrigues Maes

  • Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

Aguiar, L. (2015). Gestalt-terapia com crianças - teoria e prática. São Paulo: Summus.

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2008). Desmistificando a concepção de adolescência. Cadernos de Pesquisa, 38(133), 97-125.

Baroncelli, L. (2012) Adolescência: fenômeno singular e de campo. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 188-196.

Bucay, J. (2012). As histórias que me ensinaram a viver - a inspiradora relação entre terapeuta e seu jovem paciente. Rio de Janeiro: Sextante.

Bucay, J., & Salinas, S. (2010). Amar de olhos abertos. Rio de Janeiro: Sextante.

Buscaglia, L. (1982). A história de uma folha - uma fábula para todas as idades (9a Ed.). Rio de Janeiro: Record.

Calligaris, C. (2009). A adolescência (2a ed.). São Paulo: Publifolha.

Cornejo, L. (2008). Manual de terapia gestáltica aplicada a los adolescentes (2a ed.). Bilbao: Desclée de Brouwer.

Facci, M. G. D., & Tomio, N. A. (2009) O. Adolescência: uma análise a partir da psicologia sócio-histórica. Rev. Teoria e Prática da Educação, 12(1), 89-99.

Frazão, L. (1996). Pensamento diagnóstico processual: uma visão gestáltica de diagnóstico. Revista ITGT, 2, 27-31.

Fisher, R. (2009). O cavaleiro preso na armadura (12a ed.). Rio de Janeiro: Record.

Grossman, E. (2010). A construção do conceito de adolescência no Ocidente. Adolescência & Saúde, 7(3), 47-51.

Herculano-Houzel, S. (2005). O cérebro em transformação. Rio de Janeiro: Objetiva.

Kluckhohn, C., & Murray, H. (1948). Personality in nature, society and culture. Nova York: Knopf.

Lewin, K. (1939). Field Theory and Experiment in Social Psychology: Concepts and Methods. American Journal of Sociology, 44, 868-897.

Lima, A. (1997) Brincadeiras Selvagens: problema nosso – diálogo com pais de adolescentes.

São Paulo: Oficina de Textos.

Muuss, R. (1966). Teorias da adolescência (5a ed.). Belo Horizonte: Interlivros.

Nunes, A. L. (2010) Transtornos Alimentares na Adolescência - Depoimentos das Adolescentes, Gestalt-terapia e Pesquisa. Curitiba: Jurua.

Oaklander, V. (1980) Descobrindo crianças – a abordagem gestáltica com crianças e adolescentes (6a ed.). São Paulo: Summus.

Oaklander, V. (2008). El tesoro escondido: la vida interior de ñinos y adolescentes. Santiago: Cuatro Vientos.

Perls, F. (1988). A abordagem gestáltica e testemunha ocular da terapia (2a ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Perls, F. Hefferline, R., & Goodman, P. (1997). Gestalt- terapia (2a ed.). São Paulo: Summus.

Pinto. E. B. (2015). A primeira entrevista. In Frazão, L. M. & Fukumitsu, K. O. A clínica, a relação terapêutica e o manejo em Gestalt-terapia (pp. 11-29) São Paulo: Summus.

Quadros, L. C. T., & Soares, L. L. M. (2014) Tempo para brincar, tempo para imaginar: arriscando- se no encontro com crianças e adolescentes em psicoterapia. In E. T. Prestrelo & L. C. T. Quadros (Orgs). O tempo e a escuta da vida: configurações gestálticas e práticas contemporâneas (pp. 143-160). Rio de Janeiro: Quartet.

Rosa, L. (2011). Cont(r)ato terapêutico na clínica gestáltica. Aw@reRevista Eletrônica, 2(1), 44-49.

Salomão, S. (2003). Perdas, Situações Inacabadas e Reconstruções – Uma Contribuição da Terapia Familiar Sistêmica à Gestalt-Terapia. In M. Groisman (Org.). Além do paraíso: perdas e transformações na família (pp. 263-264). Rio de janeiro: Núcleo de Pesquisas.

Schnapp, A. (1996). A imagem dos jovens na cidade grega. In G. Levi & J. C. Schmitt (Org.). História dos jovens - da antiguidade à era moderna (pp. 19-57). São Paulo: Companhia das Letras.

Silveira, T. M. (2016). Contato. In G. D’acri, P. Lima & S. Orgler (Org). Dicionário de Gestalt-terapia – gestaltês (3a ed., p. 59). São Paulo: Summus.

Soares, L. L. M. S. (2005). Um convite para pensar sobre desenvolvimento em Gestalt-Terapia. IGT na Rede, 2 (3). Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs/viewarticle.php?id=58&layout=html

Zanella, R. e Antony, S. (2016). Trabalhando com adolescentes: (re)construindo o contato com o novo eu emergente. In L. M. Frazão & K. O. Fuku (Org). Modalidades de intervenção clínica em Gestalt-terapia (pp. 83-109). São Paulo: Summus.

Zanella, R., & Zanini, M. E. B. (2013). Atendendo adolescentes na contemporaneidade. In R. Zanella (Org). A clínica gestáltica com adolescentes - caminhos clínicos e institucionais (pp. 59-76). São Paulo: Summus.

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Rodrigues Maes, K. . (2021). Possibilidades na prática clínica com adolescentes sob a ótica da gestalt-terapia. Revista De Psicologia Da Criança E Do Adolescente, 11(1), 145–164. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/rpca/article/view/2930

Edição

Secção

Ensaios e projectos / Essays and projects