A Medicalização do fracasso escolar: o TDAH e o processo de individualização dos problemas de aprendizagem

Autores

  • Kelly Cristina Badermann
  • Maíra Meira Nunes

Resumo

Em muitos contextos escolares percebe-se que a escola apresenta expectativas, criando regras que tendem a adequar as crianças em um padrão socialmente aceito, desconhecendo, muitas vezes, que existem diversos fatores sociais, externos à biologia da criança, que interferem de forma direta no seu desenvolvimento, associando seus fracassos a patologias biológicas tratadas a partir da medicalização. Sendo assim, este trabalho de conclusão de curso teve como objetivo analisar o processo de individualização dos problemas de aprendizagem através da medicalização escolar e dos diagnósticos de TDAH. Com o objetivo alcançado, este apresenta então, através de uma revisão bibliográfica, as controvérsias do TDAH e como esse processo de medicalização individualiza os processos de fracasso escolar ao aluno, transformando crianças saudáveis em “doentes” com pseudo distúrbios de aprendizagem.

Palavras-chave:

Medicalização escolar, Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, Fracasso escolar

Biografias Autor

Kelly Cristina Badermann

  • Graduanda de Psicologia do Centro Universitário UNIRB

Maíra Meira Nunes

  • Psicóloga, Especialista em Teoria e Psicoterapia Analítica Junguiana

Referências

Bock, A. M. B. (2003). Psicologia da educação: Cumplicidade ideológica. In M. E. M. Meira & M. A. M. Antunes, Psicologia Escolar: teorias críticas (pp. 70-104). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Caliman, L. V. (2010). Notas sobre a história oficial do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade TDAH. Psicologia: ciência e profissão, 30(1), 46-61.

Ceccon, C., & Oliveira, M. D. D. (1982). A vida na escola e a escola da vida. Petrópolis: IDAC/Vozes.

Corrêa, A. R. M. (2010). Infância e patologização: crianças sob controle. Revista brasileira de psicodrama, 18(2), 97-106.

Faculdade de Ciências Médicas. (2011). Excesso de medicalização de crianças e adolescentes é tema de seminário na FCM. Disponível em: https://www.fcm.unicamp.br/fcm/noticias/2015/excesso-de-medicalizacao-de-criancas-e-adolescentes-e-temade-seminario-na-fcm

Junior, E. G., & Lovisolo, H. R. (2003). Descontinuidades e continuidades do movimento higienista no Brasil do século XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 25(1).

Oswald, M. L., & Kramer, S. (2001). Currículo e saberes docentes: o que aprendemos pesquisando leitura e escrita em três escolas de formação de professores. Educar em Revista, 17, 15-37.

Kramer, Sônia. (2001). Alfabetização, leitura e escrita: formação de professores em curso. São Paulo: Ática.

Luengo, F. C. (2010). A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância. São Paulo: Editora UNESP.

Meira, M. E. M. (2011). Incluir para continuar excluindo: a produção da exclusão na educação brasileira à luz da psicologia histórico-cultural. A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos, 2, 75-106.

Moysés, M. A. A., & Collares, C. A. (2013). Medicalização: o obscurantismo reinventado.

In C. A. L. Collares, M. A. A. Moysés, & M. C. Ribeiro (Orgs.), Novas capturas, antigos diagnósticos na era dos transtornos (pp. 41-64). Campinas: Mercado de Letras.

Oliveira, W. M. (2014). Uma abordagem sobre o papel do professor no processo ensino/aprendizagem. Londrina: INESUL.

Patto, M. H. S. (2010). A Produção do fracasso escolar: Histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Poeta, L. S. & Rosa Neto, F. (2004). Estudo epidemiológico dos sintomas do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e transtornos de comportamento em escolares da rede pública de Florianópolis usando a EDAH. Revista Brasileira de Psiquiatria de São Paulo, 26(3), 150-155.

Rocha, M. (2001). Educação e saúde: coletivização das ações e gestão participativa. In I. M. Maciel (Org.), Psicologia e Educação: novos caminhos para a formação (pp. 213-229). Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Rodrigues, Z. B. (2009). Dificuldades de aprendizagem ou dificuldades escolares? Um estudo sobre a visão dos professores (Tese de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil.

Souza, M. P. R., & Cunha, B. B. B. (2010). Projetos de Lei e políticas públicas: o que a psicologia tem a propor para a Educação? In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (Org.), Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Souza, B. P. (2013). Fundamentos escolares e produção de fracasso escolar e sofrimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Veiga, C. G. (2004). Manifesto dos pioneiros de 1932: O direito biológico à educação e a invenção de uma nova hierarquia social. In M. C. Xavier (Org.), Manifesto dos pioneiros da educação (pp. 67-88). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Wanderbroock, D. J., & Boarini, M. L. (2000). Educação higienista, contenção social: A estratégia da Liga Brasileira de Higiene Mental na criação de uma educação sob medida (1914-1945). Jornada do HISTEDBR – História, Sociedade e Educação no Brasil, 7.

Wanderbroock, D. J. (2009). A educação sob medida: os testes psicológicos e o higienismo no Brasil (1914-1945). Maringá: Eduem.

Zorzi, J. L. (2003). Aprendizagem e distúrbios de linguagem escrita: questões clínicas e educacionais. Porto Alegre: Artmed.

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Badermann, K. C., & Meira Nunes, M. (2021). A Medicalização do fracasso escolar: o TDAH e o processo de individualização dos problemas de aprendizagem. Revista De Psicologia Da Criança E Do Adolescente, 11(1), 97–110. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/rpca/article/view/2926

Edição

Secção

Artigos