Criança-adolescente e família convivendo com o diabetes

Reveses da atenção primária

Autores

  • Luzia Wilma Santana da Silva
  • Camilla de Souza Menezes
  • Helder Brito Duarte
  • Vilma Maria Gonçalves de Oliveira
  • Grasiele Alves Souza
  • Neuziele Miranda da Silva
  • Lucátia Cipriano dos Santos
  • Tássia Dahyanna Almeida Rebouças

Resumo

O artigo trata das percepções do ser criança-adolescente e família convivendo com Diabetes Mellitus tipo 1 e seus enfrentamentos na atenção básica em saúde. De abordagem qualitativa na transversalidade com a pesquisa convergente assistencial, realizado em um município da Bahia, no período de agosto/2014-junho/ 2015 através de busca ativa, questionário semiestruturado e oficinas educativas. Dos resultados, relatos de déficit de conhecimento sobre a doença e tratamento; dificuldade de acesso ao sistema local de saúde, sentimento de invisibilidade, seguido de busca por assistência na capital do estado e, batalhas judiciais à garantia dos insumos ao tratamento. Finaliza-se com a evidência de que se faz necessário a atenção básica e os profissionais de saúde tecer um olhar mais proximal que perspective o ser criança-adolescente em suas especificidades de ser-existir e a família em suas demandas de cuidado aos saberes-fazeres para um viver mais digno e seguro deste grupo etário.

Palavras-chave:

Criança, Adolescente, Família, Diabetes mellitus, Atenção primária à saúde

Biografia Autor

Tássia Dahyanna Almeida Rebouças

  • Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia –UESB

Referências

Anaut, M. (2005). A resiliência: ultrapassar os traumatismos. Lisboa: Climepsi Editores.

Brasil (1990). Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1990/lei-8069-13-julho-1990-372211-publicacaooriginal-1-pl.html

Brasil (2016). Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no186/2008. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/

CF88_Livro_EC91_2016.pdf?sequence=1%3E7

Borsoi, S. C., Roessler, G., Scheidt, I. V., & Mascarenhas, L. P. G. (2016). Atendimento a cuidadores de crianças e adolescentes com diabetes mellitus tipo 1: revisão sistemática de literatura. ConScientiae Saúde, 15(3), 495-500. doi:10.5585/conssaude.v15n3.6291

Brito, T. B., & Sadala, M. L. A. (2009). Diabetes mellitus juvenil: a experiência de familiares de adolescentes e pré-adolescentes. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 947-960. doi: 10.1590/S1413-81232009000300031

Castro, E. K., & Piccinini, C. A. (2002). Implicações da doença orgânica crônica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicologia: Reflexão e crítica, 15(3), 625-635. doi: 10.1590/S0102-79722002000300016

Creswell, J. W. (2009). Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches (3rd ed.). Thousand Oaks, California: SAGE Publications.

IBGE. (2011). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf

IDF - International Diabetes Federation. (2017). Diabetes Atlas [Internet] (8th ed.). Brussels: International Diabetes Federation. https://www.idf.org/e-library/epidemiology-research/diabetes-atlas/134-idf-diabetes-atlas-8th-edition.html

Marcelino, D. B., & Carvalho, M. D. B. (2005). Reflexões sobre o diabetes tipo 1 e sua relação com o emocional. Psicologia: reflexão e crítica, 18(1), 72-7.

Marcon, S. S., Faquinello, P., Fonseca, E. L., Haddad, M. L., & Barreto, M. S. (2009). Diabetic children health care in the family’s view: a qualitative approach. Online Brazilian Journal of Nursing, 8(2), np.

Miles, M. B., & Huberman, A. M. (1994). Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. (2nd ed.). Thousand Oaks, California: SAGE Publications.

Ministério da Saúde. (2010). Política Nacional de Humanização. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_basica.pdf

Ministério da Saúde. (2012a). Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento (Cadernos de Atenção Básica, nº 33). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf

Ministério da Saúde. (2012b). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Ministério da Saúde. (2013). Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos - Bahia. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?hiperdia/cnv/hdba.def

Nóbrega, V. M., Reicher, A. P. S., Silva, K. L, Coutinho, S. E. D., & Collet, N. (2012). Imposições e conflitos no cotidiano das famílias de crianças com doença crônica. Esc. Anna Nery (impr.), 16(4), 781-788.

Oliveira, J. E. P., & Vencio, S. (2014). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2013-2014/Sociedade Brasileira de Diabetes. São Paulo: AC Farmacêutica, 1-360.

Pilger, C., & Abreu, I.S. (2007). Diabetes mellitus na infância: repercussões no cotidiano da criança e de sua família. Cogitare Enferm, 12(4), 494-501.

Pimazoni-Netto, A. (2015). Principais obstáculos e erros técnicos na autoaplicação de insulina. Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia, Salvador, BA, 1:1-8.

Amorim Silva, M. E., Gomes, I. P., Machado, A. N., Vaz, E. M. C., da Silva Reichert, A. P., & Collet, N. (2014). Implicações da condição crônica da criança para sua família/Implications of chronic condition of the child for its family. Ciência, Cuidado e Saúde, 13(4), 697-704.

Trentini, M., Paim, L., & Silva, D. M. G. V. (2014). Pesquisa convergente assistencial: delineamento provocador de mudanças nas práticas de saúde (3ª ed.). Porto Alegre: Moriá.

Vieira, M. A., & Lima, R. A. G. D. (2002). Crianças e adolescentes com doença crônica: convivendo com mudanças. Revista Latino-americana de enfermagem, 10(4), 552-560. doi: 10.1590/S0104-11692002000400013

Werkema, M., & DiMambro M. (2014). Universidade das Crianças - De onde vem a diabetes [Vídeo file]. https://www.youtube.com/watch?v=v03ctJ5fUiA

Zanetti, M. L., & Mendes, I. A. C. (2001). Análise das dificuldades relacionadas às atividades diárias de crianças e adolescente com diabetes mellitus tipo 1: depoimento de mães. Rev Latino-am Enfermagem, 9(6), 25-30.

Zanetti, M. L., Mendes, I. A. C., & Ribeiro, K. P. (2001). O desafio para o controle domiciliar em crianças e adolescentes diabéticas tipo 1. Rev Latino-am Enfermagem, 9(4), 32-6. doi: 10.1590/S0104-11692001000400006

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Santana da Silva, L. W., de Souza Menezes, C., Brito Duarte, H., Gonçalves de Oliveira, V. M., Alves Souza, G., Miranda da Silva, N., Cipriano dos Santos, L., & Dahyanna Almeida Rebouças, T. (2021). Criança-adolescente e família convivendo com o diabetes: Reveses da atenção primária. Revista De Psicologia Da Criança E Do Adolescente, 11(1), 77–96. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/rpca/article/view/2925

Edição

Secção

Artigos