Why is it important to achieve a representative participation in the debate of our cities?

Autores

  • Cecília Delgado Docente da Universidade Lusíada – Porto. Doutoranda pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa.

Resumo

Políticos, técnicos e cidadãos têm o mesmo “modelo” de cidade? É possível, sem a participação pública, afirmar que as cidades contemplam as aspirações de todos e todas?

A amostra utilizada abrangeu os políticos, técnicos e cidadãos que participaram no Programa Polis em Vila Nova de Gaia - Portugal. Foram usados inquéritos e entrevistas semi - estruturadas. Numa primeira parte focou-se a importância da participação pública e o envolvimento das populações no planeamento urbano em geral. A resposta à primeira questão foi quase unanimemente positiva, ou seja, é importante as pessoas participarem. Por outro lado, a nossa amostra, defende que os cidadão genericamente não participam.

Numa segunda fase inquiriu-se a amostra sobre a importância de um conjunto de indicadores para a qualidade de vida urbana (políticos e técnicos - análise quantitativa) e o conceito de cidade ideal (políticos, técnicos e cidadãos – análise qualitativa).

A visão obtida através da metodologia quantitativa tende a referir como parâmetros mais importantes para a qualidade de vida urbana os transportes públicos, a qualidade ambiental e os espaços verdes, em detrimento da proximidade entre funções ou da sociabilidade.

Quando se questionaram os políticos e os técnicos sobre a descrição da cidade ideal (analise qualitativa) foram sublinhadas os factores de proximidade, casa - trabalho, casa – equipamentos de apoio, ou casa - comércio, e inclusivamente, parâmetros como a sociabilidade e sentimento de vizinhança. Estes parâmetros foram igualmente destacados pela amostra de cidadãos.

Ou seja, políticos, técnicos e cidadãos discordam em relação à visão quantitativa aferida através do modelo de qualidade de vida urbana, mas partilham um mesmo “modelo” cognitivo de cidade ideal. Neste sentido, os resultados confirmam a pertinência do debate i.e., da participação de todos e todas na esfera pública.

Do technicians, politicians and citizens have the same model of city? And if not, can we, without the public participation, be certain that our cities reflect the aspirations of all?

Palavras-chave:

Participação pública, Planeamento urbano, Qualidade de vida urbana, Modelo de cidade

Referências

Ascher, F. (2007 (2.ª edição)). Los Nuevos Principios del Urbanismo: El fin de las cidades no está a la ordem del dia. Madrid - Espanha: Alianza Editorial.

Barrio, L. d. (2008). The life of women and men in Europe: A statistical portrait. Luxemburgo: EUROSTAT.

Brandão, P. (2005). Ética e Profissões, no Design Urbano. Universidade de Barcelona : Tese de Doutoramento.

Cabral, M. V., & Borges, V. (2006). Profissão: Arquitecto/a. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Instituto de Ciências Sociais.

Damásio, A. (2000 (6.ª edição)). O sentimento de si: O corpo, a Emoção e a Neurobiologia da Consciência. Nem Martins: Publicações Europa - América.

Giannakouris, K. (2008). Population and social conditions. Eurostat.

Greed, C. e. (2003). Gender Equality and Plan Making: Gender Mainstreaming Toolkit. London: Royal Town Planning Institute.

Hall, E. T. (1986). A Dimensão Oculta. Lisboa: Relógio D Água.

Hershberger, R. G. (1988 (1.º edição)). A study of meaning and architecture. In J. L. Nasar, Environmental Aesthetics: Theory, research, & applications (pp. 175-194). Cambridge University Press, New York: Cambridge University Press.

Madariaga, I. (2006). Urbanismo con Perspectiva de Género. Junta de Andaluzia: Instituto Andaluz de la Mujer.

Madden, J. F. (1981). Why women work closer to home. Urban Studies, Vol. 18 nº 2 , 181-194.

Oliveira, F. P. (2004). Instrumentos de Participação Publica em Gestão Urbanistica. Coimbra: Centro de Estudos e Formação Autarquica.

Portas, N. (1982). Nova Politica Urbana + 10 mandamentos do Urbanismo Municipal. In N. Portas, Os Tempos das Formas (Vol.1: A Cidade Feita e Refeita) (pp. 203-226). Guimarães: DAAUM.

Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (2005). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

UNFRA. (2009). State of the World Population 2008. UNFRA.

Downloads

Publicado

2013-10-03

Como Citar

Delgado, C. (2013). Why is it important to achieve a representative participation in the debate of our cities?. Revista Arquitectura Lusíada, (2), 131–144. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/ral/article/view/247

Edição

Secção

Artigos