Monumentalidade da Lisboa do século XVIII. O Real Convento de São Francisco da cidade de Lisboa

Albertina Marques Pires Belo

Resumo


A ordem religiosa franciscana surge em Lisboa nas primeiras décadas do século XIII, resultado da diáspora da comunidade italiana de vida franciscana, nascida do modo de vida tomada por Francisco de Assis, no dealbar do século XIII.

Já como ordem regrada, instala-se fisicamente na periferia rural da cidade de Lisboa; nos séculos XVI e XVII, atingira grande expressividade numérica como Ordem religiosa de um burgo que vai granjeando verdadeiro cosmopolitismo, como capital de um reino em franca expansão, virado ao o mundo; mesmo na época de subjugação aos reis de Castela, Lisboa não deixa de se embelezar, pois os trabalhos em mãos, anteriores à dinastia dual, prosseguem nos trâmites previstos.

Os novéis franciscanos de Lisboa, a par do que aconteceu com os do restante território português, progrediram a vários níveis, deixaram os primitivos eremitérios para se constituírem em conventos, acanhados e rudimentares de início, mas em sequente transformação, crescimento e embelezamento, conformes ao aumento do número de religiosos e de crentes em seu redor.

O espaço franciscano construído em Lisboa, que ficará conhecido por Real Convento de São Francisco da Cidade de Lisboa, se de início ostentou uma componente rural, com o tempo, adquire visibilidade urbana, enquadrado num quarteirão, com muros alinhados em arruamentos originados na campanha de assoreamento das zonas ribeirinha da beira Tejo, o que irá permitir a monumentalidade que ostenta em pleno século XVIII. Hoje passadas algumas vicissitudes, incêndios e tremores de terra, ainda apresenta, no que dele restou, vestígios daquela grandeza arquitectónica.


The Franciscans arise in Lisbon in the early decades of the 13th century, as a result of the diasporas of the Italian Franciscan life’s community born with Francis of Assisi, at the beginning of the 13th century. As a ruled order, they had physically installed in the rural Lisbon’s periphery; in the 16th and 17th centuries, the Franciscans had reached great expressiveness as a religious order in a city that, in turn, had reached a true cosmopolitanism, as a developing capital of a Kingdom that faced out to the world; even during the subjugation of Castile, Lisbon continued to be embellished.

In Lisbon, just as in the rest of Portuguese territory, the Franciscans had grown up, and left drop the primitive hermitages, in order to build convents, rudimentary buildings that, soon, acquired increasingly complexity.

The Franciscan space built in Lisbon, known as Real Convento de São Francisco da Cidade de Lisboa, had born in rural areas around the city; however, over time, had acquired urban visibility, framed in a urban block, with walls built along streets, drawn in the new land conquered to the river Tagus.

The convent would arise with monumentality in the middle of the 18th century. Today, passed some vicissitudes, fires, earthquakes, aging, still shows traces of sumptuousness.

 

Palavras-chave / Keywords

Urbanismo, Arquitectura, Monumentalidade, Lisboa, Franciscanos.

Urbanism, Architecture, Monumentality, Lisbon, Franciscans.


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica / Universidades Lusíada, 2004-2017
Serviços de Informação, Documentação e Internet
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 617 | Fax +351 213 638 307 | E-mail: revistas@lis.ulusiada.pt