Os jardins do Palácio de Cristal e as fontes d’art

Autores

  • Paula Torres Peixoto

Resumo

As mudanças ocorridas no séc. XIX, século que conheceu um florescente desenvolvimento científico e cultural, transformaram as estruturas económicas e sociais da Europa influenciando o mundo. Uma das grandes apostas daquele século, cuja palavra-chave era o progresso, foi a utilização do ferro que passou a substituir muitos dos materiais existentes até então. De forma tímida e muitas vezes oculto, o ferro foi-se afirmando até se impor nos vários espaços.

O êxito das primeiras estátuas fundidas levou a que escultores de nomeada colaborassem com os fundidores, criando-se modelos a serem reproduzidos em ferro fundido destinados a serem moldados em série para decorarem quer exteriores (de jardins públicos e privados), quer interiores de residências, sobretudo de uma burguesia triunfante e em plena ascensão, interessada na qualificação moderna do habitar e no cultivo das artes.

No Porto, a construção do Palácio de Cristal (1865-1951) e os seus jardins são reveladores da abertura da cidade ao progresso e às novidades. As variadas esculturas que, ainda hoje, embelezam estes espaços, têm as marcas de consagradas fundições artísticas francesas da época. As fontes d’art (termo francês para as peças artísticas em ferro fundido) espalham-se por entres as cores, aromas e beleza destes jardins.

Palavras-chave:

Progresso, Palácio de Cristal, Fundições artísticas, Esculturas

Biografia Autor

Paula Torres Peixoto

Licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, possui o grau de mestre pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e é doutorada na área da História da Arte pela Faculdade de Geografia e História da Universidade de Santiago de Compostela. Quer como técnica superior do Centro de Artes Tradicionais (1986 a 1990), quer como docente da Universidade Lusíada (desde 1990), tem vindo a efetuar trabalhos de investigação sobretudo no domínio da História da Arte. Participou em exposições, colóquios e congressos, apresentando comunicações no âmbito desta área. Tem vindo a dedicar-se ao estudo das casas dos brasileiros, tendo publicado vários artigos sobre esta temática. É autora do livro “Palacetes de Brasileiros no Porto (1850-1930). Do Estereótipo à Realidade” (no prelo).

Referências

ANDRESEN, Teresa, MARQUES, Teresa Portela (2001), Jardins Históricos do Porto, Lisboa, Edições Inapa.

DIAS, Ana Cristina Guimarães (Coord.) (1989) – A Nostalgia de uma Cidade: Medalhas sobre o Palácio de Cristal na coleção do Gabinete de Numismática (Catálogo de Exposição), Porto, Câmara Municipal do Porto.

FONSECA, Francisco Gomes (1864), Guia do Viajante no Porto e arrabaldes, Porto.

Jornal O Comércio do Porto de 1864 e 1865.

Jornal O Brás Tisana de 1864 e 1865.

“O Palácio de Cristal nas exposições do Porto” in O Tripeiro, V série, Ano XII, nº5, Porto, Set.1956.

“O Palácio de Cristal Portuense”, in O Tripeiro, VI série, Ano III, nº1, Porto, Janeiro, 1963.

PIMENTEL, Alberto (1876), Guia do viajante nos caminhos-de-ferro do norte em Portugal, Porto, Livraria Internacional.

RENARD, Jean-Claude (1985), L’ âge de la fonte. Un art, une industrie, 1800-1914, Paris, Les Editions de l’Amateur.

SAMODÃES, 2o Conde de (1890), O Palácio de Cristal Portuense Porto, Typ. Central.

SANTOS, José Coelho dos (1988), O Palácio de Cristal e a arquitectura do ferro no Porto em meados do séc. XIX, Porto, Fundação Eng. António de Almeida.

TREBOR, Alif, et al. (2000), Fontes d’Art – Fontaines et satues françaises à Rio de Janeiro, Paris, Les Editions de l’Amateur.

Downloads

Publicado

2013-10-03

Como Citar

Peixoto, P. T. (2013). Os jardins do Palácio de Cristal e as fontes d’art. Revista Arquitectura Lusíada, (4), 105–112. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/ral/article/view/211

Edição

Secção

Artigos