A gestão dos recursos hídricos transfronteiriços e as relações Portugal-Espanha

Autores

  • Francisco Nunes Correia Professor Catedrático de Ambiente e Recursos Hídricos. Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.34628/9hjy-qm92

Resumo

É seguramente consensual afirmar que “água é vida”. É também universalmente reconhecido que foi em torno de grandes rios que se desenvolveram as grandes civilizações. A Mesopotâmia em torno do Tigre e do Eufrates ou a civilização egípcia em torno do Nilo são apenas dois exemplos eloquentes. Contudo, essa água que é fonte de prosperidade e riqueza em tantas circunstâncias, é também, e talvez por isso mesmo, fonte de discórdia e disputa. Mark Twain, em Huckleberry Finn, o seu romance mais conhecido, diz-nos ironicamente que “(...) o whiskey é para beber e a água é para lutar!”. Num registo bem mais sério, o Presidente John Kennedy afirmou que “Quem resolver os problemas da água, merece não um, mas dois Prémios Nobel – o da Ciência e o da Paz”. Não admira, assim, que ao longo dos séculos o controlo sobre as origens de água tenha sido uma preocupação de todas as nações. Aí está, a título de exemplo, o caso bem atual da disputa pelos Montes Golan, que Israel considera essenciais para a sua sobrevivência enquanto estado porque aí estão as suas principais origens de água.

Palavras-chave:

Portugal-Espanha

Referências

Correia, F. N. (1999) O Regime de Caudais na Convenção Luso-Espanhola. Encontro sobre a Convenção Luso-Espanhola de Recursos Hídricos – Ganhos e Perdas para Portugal a Curto e Médio Prazo. Instituto Superior Técnico, Lisboa, Portugal.

EEA (1995) Europe’s Environment – The Dobris Assessment. European Environment Agency. Copenhaga, Dinamarca

EEA (1998) Europe’s Environment – The Second Assessement. European Environment Agency. Copenhaga, Dinamarca

ILA (1966) Regras de Helsínquia sobre o Uso das Águas dos Rios Internacionais. International Law Association. Londres, Reino Unido. Disponível em: https://www.internationalwaterlaw.org/documents/intldocs/ILA/ILA-HelsinkiRules1966-as_amended.pdf

ILA (2004) Regras de Berlim sobre Recursos Hídricos. International Law Association. Londres, Reino Unido. Disponível em: https://www.unece.org/fileadmin/DAM/env/water/meetings/legal_board/2010/annexes_groundwater_paper/Annex_IV_Berlin_Rules_on_Water_Resources_ILA.pdf

Salman, M. A. S. (2007) “The Helsinki Rules, the Water Courses Convention, and the Berlin Rules: Perspectives on International Water Law”, Water Resources Development, 23(4), p 625-640

UNECE (1991) Convenção de Espoo sobre a Avaliação de Impactes num Contexto Transfronteiriço. Comissão Económica para a Europa das Nações Unidas. Genebra,

Suíça. Disponível em: https://www.unece.org/env/eia/about/eia_text.html

UNECE (1996) Convenção sobre a Proteção e Uso dos Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais. Comissão Económica para a Europa das Nações Unidas. Genebra, Suíça. Disponível em: https://www.unece.org/fileadmin/ DAM/env/water/publications/WAT_Text/ECE_MP.WAT_41.pdf

UNECE (1996) Convenção sobre a Proteção e Uso dos Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais. Comissão Económica para a Europa das Nações Unidas. Genebra, Suíça. Disponível em: https://www.unece.org/fileadmin/DAM/env/water/publications/WAT_Text/ECE_MP.WAT_41.pdf

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Correia, F. N. (2021). A gestão dos recursos hídricos transfronteiriços e as relações Portugal-Espanha. Lusíada. Política Internacional E Segurança, (17-18), 47–66. https://doi.org/10.34628/9hjy-qm92

Edição

Secção

Artigos