A água como fator de conflitos político-militares no Sul e Sudeste Asiático:

Planalto do Tibete e Rio Brahmaputra

Autores

  • João Luís Rodrigues Leal

DOI:

https://doi.org/10.34628/vhxa-w510

Resumo

A gestão desadequada dos recursos hídricos e o aumento exponencial do consumo de água potável no continente asiático têm contribuído para agravar desequilíbrios e tensões prevalecentes, que no limite podem resvalar para relações conflituais. No presente artigo explanamos como o Planalto Tibetano assume um papel central no futuro da região Sul e Sudeste da Ásia, pois dele brotam os maiores rios da Ásia, autênticas fontes de vida para a China, Índia, Bangladesh, Myanmar, Butão, Nepal, Cambódja, Paquistão, Laos, Tailândia e Vietname, que no seu conjunto albergam cerca de 50% da população mundial.

Conferimos especial atenção ao Rio Brahmaputra, que percorre os dois atores com maior relevância geopolítica - China e Índia -, mas enfatizando que o primeiro, por se localizar a montante dos rios em apreço, dispõe de vantagens que utiliza para afirmar o seu poder e para salvaguardar os seus interesses na região.

O «Grande Projeto de Direcionamento da Água Sul-Norte» possibilitará importantes transvases entre distantes bacias hidrográficas da China, deslocando abundantes quantidades de água do Rio Brahmaputra para a árida região Norte do país, com repercussões que podem ser dramáticas para os países localizados a jusante do rio, mormente a Índia e o Bangladesh. O projeto em apreço partirá da «grande curva» do Brahmaputra, próximo da região Arunachal Pradesh, na disputada fronteira entre a China e a Índia, uma das regiões mais militarizadas do mundo.

A combinação de todos os fatores mencionados é importante e justifica o estudo e acompanhamento cuidadoso da região do Sudeste Asiático, pois a eclosão de um conflito armado terá necessariamente impacto global.

Palavras-chave:

Planalto do Tibete, Rio Brahmaputra, Água, Conflitos, China, Índia

Biografia Autor

João Luís Rodrigues Leal

  • Tenente-Coronel do Exército Português.
  • Doutor em História, Defesa e Relações Internacionais, pelo ISCTE-IUL.
  • Mestre em Geografia Humana, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Licenciado em Ciências Militares, na especialidade de Infantaria, pela Academia Militar.
  • Foi Membro Permanente da Comissão de Acompanhamento para a Reforma da Defesa Nacional, no Gabinete do Ministro da Defesa Nacional do XIX Governo Constitucional.
  • Atualmente é Professor no Doutoramento em História e Estudos de Segurança e Defesa (ISCTE-IUL), Chefe do Gabinete de Estudos e Planeamento e Coordenador de dois Mestrados Integrados em Ciências Militares na Academia Militar.
  • Publicou 2 livros e múltiplos artigos em revistas no âmbito da Geopolítica, Estratégia e Segurança e Defesa. A sua área de investigação predileta é a geopolítica do Ártico.

Referências

Banco Mundial, 2018. Indicators: Health. [online]. Disponível em: <https://data.worldbank.org/indicator> [Acedido 13 março 2018].

Brzezinski, Zbigniew, 2014. Os Estados Unidos e a Crise do Poder Mundial. Lisboa: Gradiva.

Chellaney, Brahma, 2007. China-India Clash Over Chinese Claims to Tibetan Water. The Asia-Pacific Journal. July 03, 5 (7), pp.1-5.

Couto, Cabral, 1988. Elementos de estratégia: apontamentos para um curso. Vol. I. Lisboa: Instituto de Altos Estudos Militares.

Dias, Mendes, 2012. Geopolítica. Velhas mas novas aproximações e o contrário. Aveiro: Mare Liberum.

Diganta, 2009. Dam on Brahmaputra: Consequence and Reality Check. The New Horizon. [online]. Disponível em: <https://horizonspeaks.wordpress.com/> [Acedido 4 abril 2018].

Fernandes, António, 2008. As Relações Internacionais e Portugal. Da Europa do Mundo ao Mundo da Europa. Lisboa: Prefácio.

GPP, 2016. Hydro-Politics in the Mekong Basin. GeographyPlusPolitics. [online].

Disponível em: <https://geographypluspolitics.wordpress.com/> [Acedido 21 março 2018].

Hartmann, Thom, 2012. This is why Tibet will never be free from China. Thom Hartmann Program. [online]. Disponível em: <https://www.thomhartmann.com/> [Acedido 6 abril 2018].

Lokhande, Sumedh, 2017. India – China Relations Potentials of Cooperation and Dissonance. Chaurahha. [online]. Disponível: <https://chaurahha.wordpress.com/> [Acedido 2 abril 2018].

Lovelle, Madeleine, 2016. Co-operation and the Brahmaputra: China and India Water Sharing. Strategic Analysis Paper – Independent Strategic Analysis of Australia’s Global Interests. [online]. Disponível em: <https://www.futuredirections.org.au/> [Acedido 26 abril 2018].

Mackensen, August von, 2014. A Primeira Guerra Registrada. Clube dos Generais. [online]. Disponível em: <http://www.clubedosgenerais.org> [Acedido 28 março 2018].

Malhotra, Ganesh (2014). Water conflicts: impact on South Asia. Thesis of Doctor of philosophy In Political science. Department of Political Science. University of Jammu. India.

Rigby, Jennifer, 2016. Dams, Drought and Disaster Along the Mekong River. International Rivers. [online]. Disponível em: <https://www.internationalrivers.org/>. [Acedido 6 abril 2018].

UNDP, 2008. United Nations Development Program. Human Development Report 2007-2008: Fighting Climate Change – Human Solidarity in a Divided World. New York: United States.

UNESCAP, 2005. United Nations Economic and Social Commission for Asia and the Pacific. State of the Environment in Asia and the Pacific 2005. New York: United States.

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Rodrigues Leal, J. L. (2021). A água como fator de conflitos político-militares no Sul e Sudeste Asiático:: Planalto do Tibete e Rio Brahmaputra. Lusíada. Política Internacional E Segurança, (17-18), 9–30. https://doi.org/10.34628/vhxa-w510

Edição

Secção

Artigos