O processo de formação inicial para a integração do agente recém-formado: estudo de caso do programa field training officer

Autores

  • Nuno Miguel Santos Saraiva Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna
  • João de Sousa Mendes Universidade Lusíada de Lisboa

Resumo

Existe um crescente desafio para a área de recursos humanos no que concerne à satisfação, por parte das organizações, das exigências internas e externas que são cada vez maiores. Nesse sentido, a formação profissional deve promover a integração de um novo trabalhador desde o momento em que este inicia as suas funções na organização, uma vez que este primeiro impacto é um momento crítico que irá definir o resto da sua carreira profissional.

A Polícia de Segurança Pública (PSP), sendo uma instituição que forma os seus ativos, não se pode olvidar deste momento de integração inicial, uma vez que os padrões de atuação policial são cada vez mais escrutinados por entidades externas e pela própria sociedade. Ser polícia hoje é corresponder a um grau de exigência superior e, como tal, deve existir um processo de formação rigoroso e devidamente estruturado. As instituições de ensino policial devem saber determinar quais os melhores métodos de formação profissional e conhecer os diferentes processos de aprendizagem do adulto para poderem assim projetar as suas diretivas estratégicas desde o topo até à base da hierarquia.

O presente trabalho de investigação resulta de uma análise da atual formação policial ao nível da Escola Prática de Polícia (EPP), através de entrevistas a Oficiais da PSP que têm um conhecimento profundo sobre a estrutura do Curso de Formação de Agentes (CFA) e de um estudo de caso de um programa de tutoria, designado por Field Training Officer (FTO), com entrevistas a responsáveis pela formação de diferentes departamentos policiais, no estado americano do Arizona, sobre a importância do programa na integração dos novos agentes.

Conclui-se que existem melhorias a realizar no processo de integração dos novos agentes da PSP, sendo a opinião geral que um programa devidamente estruturado de tutoria, à semelhança do FTO, seria uma mais-valia no seu processo de formação profissional.

Palavras-chave:

Aprendizagem do adulto, Field Training Officer, Formação policial, Formação profissional, Integração

Biografia Autor

João de Sousa Mendes, Universidade Lusíada de Lisboa

  • Lusíada Research Center of International Politics and Security (CLIPIS)
  • Universidade Lusíada de Lisboa
  • Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna
  • Doutor em Gestão

Referências

Alvarez, K., Salas, E., & Garofano, C. M. (2004). An Integrated Model of Training Evaluation and Effectiveness. Human Resource Development Review, Vol. 3, (n.º4), 385-416. http://dx.doi.org/10.1177/1534484304270820

Alves, R..J. F. (2011). Formação inicial na administração pública portuguesa: proposta de modelo e breve análise comparativa [Em linha]. Dissertação de mestrado. Lisboa: ISCTE-IUL, 2011.

Antunes, M. A. F. (2000). Plano de Estudos do Curso de Formação a Oficial de Polícia: proposta de alteração - comentários & alterações. Lisboa: Edição policopiada, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Araújo, R. N. O.; Carioca, J. M. G.; Machado, D. Q. (2012). Estratégia de integração para novos funcionários: um estudo de caso em uma indústria de transformação. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã. Vol.3, (n.º1), 6‐18. DOI: 10.6008/ESS2179-684X.2012.001.0001

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. (4.ª ed.). Lisboa: Edições 70.

Bell, J. (2010). Como Realizar Um Projecto de Investigação (5ª Edição ed.). Lisboa: Gradiva.

Bergano, S. M. (2012). Filosofias da educação de adultos. Dissertação de Mestrado em Ciências de Educação - Especialização em Psicologia da Educação. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (1967). The social construction of reality: A treatise in the sociology of knowledge. Garden City, N.Y: Doubleda.

Bilhim, J. (2016). Gestão Estratégica de Recursos Humanos (5ª ed.). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Birzer, M. (1999). Police Training in the 21st Century. F B I L a w E n f o r c e m e n t B u lle t i n , 68 (7), 16-19.

Birzer, M., & Tannehill, R. (2001). A More Effective Training Approach for Contemporary Policing. P o li c e Q u a r t e r l y , Vol. 4, (No. 2), 233-252.

Cabaço, J. J. S. (1997). A Formação de Polícia na União Europeia: Sistemas de Avaliação dos Alunos em cinco países europeus. Polícia e Justiça. II Série, (n.º 8), 93-15. Loures.

Caetano, A. & Vala, J. (2002). Gestão de Recursos Humanos - contextos, processos e técnicas. Lisboa: RH Editora.

Cardim, J. C. (2005). Formação Profissional: Problemas e Políticas. Lisboa: ISCSP – UTL.

Cardim, J. C. (2012). Gestão da Formação nas Organizações (2ª Ed.). Lisboa: LIDEL.

Carmo, H., & Ferreira, M. M. (2008). Metodologia de Investigação - Guia para AutoAprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Camara, P. B., Guerra, P. B., & Rodrigues, J. V. (2013). Humanator XXI: recursos humanos e sucesso empresarial (6.ª ed.). Lisboa: Dom Quixote.

Certal, J. (2010). Motivação no Trabalho. O Caso da Unidade especial de Polícia (Dissertação de Mestrado em Ciências policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Chandler, A. (1962). Strategy and Structure: Chapters in history of the American industrial enterprise. Cambridge Mass: MIT Press.

Chappell, A. T. (2007) Police academy training: Comparing across curricula.

Policing: An International Journal of Police Strategies & Management. Vol 31 (no. 1): 36–56. https://doi.org/10.1108/13639510810852567

Chiavenato, I. (1999). Gestão de pessoal: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. (13ª Ed). Rio de Janeiro: Campus.

Chiavenato, I. (2002). Recursos Humanos, (7ª edição compactada ed.). São Paulo: Editora Atlas S.A.

Chiavenato, I. (2006), Administração de Recursos Humanos: Fundamentos Básicos (6ª ed). São Paulo: Atlas.

CIME (2001). Terminologia de Formação Profissional, Alguns Conceitos Base III.

Direção Geral do Emprego e Formação Profissional, Lisboa. Disponível em: http://www.talentus.pt/documentos/documentos/Terminologia_de_Formacao_Profissional_CIME.pdf

Cruz, J. V. P. (1998). Formação Profissional em Portugal-Do Levantamento de Necessidades à Avaliação. Lisboa: Edições Sílabo.

Cunha, M. P., Rego, A., Cunha R. C., Cardoso, C. C., Marques, C. A., & Gomes, J. F. (2008). Manual de Gestão de Pessoas e do Capital Humano (2.ª Ed.). Lisboa: Edições Sílabo, Lda.

Decreto-Lei n.º 86-A/2016 de 29 de dezembro. Diário da República. 1.ª Série, n.º 249, 5142 - (33) – 5142 - (40). Ministério das Finanças.

Decreto-Lei n.º 275/2009 de 02 de outubro. Diário da República. 1.ª Série, n.º 192, 7139-7147. Ministério da Administração Interna.

Decreto-Regulamentar n.º 26/2009 de 02 de outubro. Diário da República. 1.ª Série, n.º 192, 7147- 7152. Ministério da Administração Interna.

Dias, H. V. (2012). Metamorfoses da polícia: novos paradigmas de segurança e liberdade (Centro de Investigação do ISCPSI). Coimbra: Edições Almedina.

Donovan, J. J., & Radosevich, D. J. (1999). A meta-analytic review of the distribution of practice effect: Now you see it, now you don’t. Journal of Applied Psychology, Vol. 84, (n.º 5), 795-805.

Dooley, L. M. (2002). Case Study Research and Theory Building. Advances in Developing Human Resources (4), 335-354.

Dunham, R., & Alpert, G. (2015). Critical issues in policing: Contemporary readings (7 th ed.). Long Grove: Waveland Press.

Espírito Santo, P. (2010). Introdução à metodologia das ciências sociais: génese, fundamentos e problemas. Lisboa: Edições Silabo.

Fernandes, T. (2001). Recrutamento, Selecção e Formação no âmbito da. Investigação

Criminal: para uma melhor actuação das BAC, BIC, SIC e EIJ. Tese de. Licenciatura em Ciências Policiais, ISCPSI, Lisboa.

Ferreira, F. (2000). Marketing e Formação - O Ciclo de Formação (1.ª Ed.), Lisboa.

Figueiredo, H. (2005). O sistema de mobilidade na Polícia de Segurança Pública (Monografia de Licenciatura em Ciências Polícias e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Fombrun, C., Tichy, N., & Devanna, M. A. (1984). Strategic Human Resource Management. Nova Iorque: John Wiley.

Fortin, M. (2009). O Processo de Investigação: da concepção à realização (5.ª ed.). (N. Salgueiro, Trad.) Loures: Lusociência.

Ghiglione, R., & Matalon, B. (2001). O inquérito: Teoria e prática (4.ª ed.). (C. L. Pires, Trad.). Oeiras: Celta.

Guerra, I. C. (2006). Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo – Sentidos e Formas de uso. Estoril: Princípia Editora, Lda

Henry, P., & Moscovici S.(1968). Problèmes de l’analyse de contenu. In: Langages. 3º année, (n°11). Socio-linguistique. 36-60.

ILO (1978). Labour Administration Convention. (n.150). Disponível em: http://www.ilo.org/dyn/normlex/en/f?p=NORMLEXPUB:12100:0::NO:12100:P12100_INSTRUMENT_ID:312295:NO

Jacobs, R L. (2003). Structed On-The-Job Training. San Francisco: Berrett-Kohler Publishers, Inc.

Ketele, J., & Roegiers, X. (1999). Metodologia da recolha de dados. Lisboa: Instituto Piaget.

Knowles, M. S., Holton, E. F., & Swanson, R. A. (2015). The Adult Learner. The Definitive Classic in Adult Education and Human Resource Development. 8ª Ed. Oxon: Routlege.

Lei n.º 35/2014 de 20 de junho. Diário da República. 1.ª Série, n.º 117, 3220 – 3304. Assembleia da República.

Lindeman, E. C. (1926). The Meaning of Adult Education. New York: New Republic.

McCampbell M. S. (1987). Field Training for Police Officers: The State of the Art.

National Institute of Justice. Meirinhos, M., & Osório, A. (2010). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER: revista da educação, Vol. 2 (n. º2). Instituto Politécnico de Bragança. Disponível em: http://hdl.handle.net/10198/3961

Monteiro, A., Silva, J., Ribeiro, M., Vicente, G., Santos, P., & Martins, L. (2014). Estudo Sobre a Adequação da Formação Ministrada no 9.º CFA. EPP.

Monteiro, A., Silva, J., Ribeiro, M., Vicente, G., Santos, P., & Martins, L. (2015). Estudo Sobre a Adequação da Formação Ministrada no 10.º CFA. EPP.

Moreira, M. (2011). Recrutamento, selecção, formação e avaliação de desempenho na Polícia de Segurança Pública - repercussões na motivação, satisfação e desempenho (Dissertação de Mestrado em Gestão de Recursos Humanos). Braga: Universidade do Minho.

Moscovici, F. (2004). Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo. Rio de Janeiro: José Olympio.

Oliveira, D. C. (2008). Análise de Conteúdo Temático Categorial: Uma proposta de sistematização. Revista de Enfermagem. 16 (n.º4), 569-576. UERJ, Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v16n4/v16n4a19.pdf

Pereira, I. M. F., & Brito, M. A. F. (1998). A Formação no Local de Trabalho. In Cardim, J. Q. & Miranda, R. M. (Coords.).Práticas de Formação Profissional. (pp. 147-182). Lisboa: ISCSP.

Pocinho, M. (2012). Metodologia de investigação e comunicação do conhecimento científico. Lisboa: Lidel.

Pope, A. (2013). A Study of Field Training Programs in the Ohio Valley Region. (Master’s Thesis). Bowling Green State University.

Quivy, R., & Campenhoudt, L. (2008). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva.

Ribeiro, F. (2015). A mobilidade interna na PSP: as implicações no desempenho dos agentes de polícia (Dissertação de Mestrado em Ciências policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Ribeiro, H., Magalhães R., & Caruso, A. (1973). Administração Pessoal na Prática. Rio de Janeiro: Forum Editora LTDA.

Rocha, J. A. O. (2010). Gestão de Recursos Humanos na Administração Pública. Lisboa: Escolar Editora.

Rodrigues, M., & Ferrão L. F. (2012) Formação Pedagógica de Formadores. 10ª Edição. Lisboa: LIDEL.

Rodríguez, G. G., Flores, J. G., & Jiménez, E. G. (1999). Metodología de la investigación cualitativa. Málaga: Ediciones Aljibe.

Rogers, C. R. (1951). Client-Centered Therapy. Boston: Houghton-Mifflin.

Rogers, C. R. (1961) On Becoming a Person. Boston: Houghton-Mifflin.

Sarmento, M. (2013). Metodologia científica para a elaboração, escrita e apresentação de teses. Lisboa: Universidade Lusíada Editora.

Sousa, M. J., & Baptista, C. S. (2011). Como fazer investigação, dissertações, teses e relatórios. Lisboa: PACTOR - Edições de Ciências Sociais e Política Contemporânea.

Sousa, M. J., Duarte T., Sanches P. G., & Gomes, J. (2012). Gestão de Recursos humanos. Métodos e Práticas. (10.ª ed.). Lisboa: Lidel.

Sousa, V. L. (2009). A formação da polícia – o desejado equilíbrio entre o que se ensina e o que é necessário saber. Estudos Comemorativos dos 25 anos do ISCPSI em Homenagem ao Superintendente - Chefe Afonso de Almeida, Almedina, 2009.

Sousa, V. L. (2012). A integração de Recursos Humanos na PSP: o processo de socialização. Revista Politeia, Ano III, Número especial.

Sousa, V. L., Bebiano, A., Ribeiro, M., Vicente, G., Santos, P., & Martins, L. (2012). Estudo Sobre a Adequação da Formação Ministrada no CFA. EPP.

Stake, R. E. (1999). Investigación con estudio de casos. Madrid: Morata.

Taylor, S. (2002). People Resourcing (2nd Ed.). London: CIPD.

Tough, A. (1979). The Adult’s Learning Projects. Toronto: Ontario Institute for Studies in Education.

United States Office of Personnel Management (s.d.). https://www.opm.gov/policy-data-oversight/assessment-and-selection/competencies/ ´

Van Maanen, J., & Schein, E. H. (1991). Toward a Theory of Organizational Socialization. In: Staw, B. (ed.), Research in organizational behavior, 209-264). Greenwich, CT: JAI.

Walker, J. (2005). Law enforcement field training models: Is it time for a change? Campus Law Enforcement Journal, 35 (no. 5), 23-30.

Wanous, J. P. (1980). Organizational entry: Recruitment, selection and socialization of newcomers. Reading, MA: Addison Wesley.

Yin, R. (1993). Applications of case study research. Beverly Hills, CA: Sage Publishing.

Yin, R. (2005). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2019-01-04

Como Citar

Saraiva, N. M. S., & Mendes, J. de S. (2019). O processo de formação inicial para a integração do agente recém-formado: estudo de caso do programa field training officer. Lusíada. Política Internacional E Segurança, (16), 121–164. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lpis/article/view/2620

Edição

Secção

Dissertação de mestrado