Gestão internacional de recursos humanos na PSP: o perfil de competências do oficial de polícia expatriado

Autores

  • Bruno Pinto Mestre em Ciências Policiais, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna
  • João de Sousa Mendes Doutor em Gestão, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna

Resumo

A cooperação policial internacional e a externalização da segurança interna são uma realidade para a qual despertámos fruto dos novos riscos e ameaças presentes no nosso mundo. A gestão internacional de recursos humanos tem vindo a ganhar espaço neste âmbito. A expatriação é uma ferramenta fundamental na cooperação policial internacional. Dado que tal cooperação passa necessariamente pela colocação de elementos policiais noutros países e em organizações internacionais.

O presente estudo, baseado em métodos qualitativos e quantitativos, tem como objetivo definir o perfil de competências do oficial expatriado, para que a gestão de recursos humanos possa escolher a pessoa que garanta a maior probabilidade de sucesso da missão.

Realizou-se um estudo de caso na PSP onde foram aplicados questionários para definir o perfil de competências do oficial de polícia expatriado, nas vertentes de oficial de ligação e de representação em organismos internacionais. Foram também realizadas entrevistas a Oficiais possuidores de informação privilegiada sobre esta temática, com o intuito de perceber a atual política de expatriação da PSP.

Como resultado desta investigação verifica-se que a atual política de gestão de recursos humanos da Polícia de Segurança Pública (PSP) não contempla as particularidades da expatriação e que não está definido um perfil de competências para o oficial de polícia expatriado. Assim, no presente trabalho propõe-se um modelo de recrutamento e seleção de oficiais de polícia a expatriar com base no perfil de competências comportamentais chave e transversais que resulta do nosso estudo e que são a abertura de espírito, a capacidade de adaptação à mudança, a tolerância ao stress, a sociabilidade, a curiosidade intelectual e o respeito pelos outros.


International police cooperation and the externalization of internal security are a reality for which we have awakened due to the new global risks and threats in our world. International human resources management is gaining importance in this area. Expatriation is a key tool in international police cooperation, since such cooperation involves the placement of police officers in other countries and in international organizations. The present study, based on qualitative and quantitative methods, aims to identify the skills profile for the Public Security Police (PSP) Senior Officers expatriates, so that human resources management can select the person with a highest probability of success for the international mission.

This was achieved through a case study within the PSP where questionnaires were applied to define the skills profile of the expatriates. Interviews were also conducted with Senior Officers in order to assess what is their opinion regarding the PSP expatriation policies.

The result of this investigation revealed that the PSP human resources management policies and practices does not consider the expatriation particularities and that is not defined a skills profile for expatriates. The present paper proposes a model of recruitment and selection for expatriates based on transversal skills, which are the open mind, the ability to adapt to change, the tolerance to stress, the sociability, the intellectual curiosity and the respect for others.


Palavras-chave / Keywords:

Expatriação, Competências, Motivação, Gestão Internacional de Recursos Humanos.

Expatriation, Skills, Motivation, International Human Resources Management.

Referências

Alderfer, C. (2011). The practice of organizational diagnosis: theory and methods (1ª ed.). New York: Oxford University Press.

Almeida, A. (2014). A motivação dos profissionais de front office nas unidades de saúde privadas. (Dissertação de Mestrado em Gestão de Recursos Humanos). Vila Nova de Gaia: Instituto Superior de Línguas e Administração de Gaia.

Alves, F. (2005). Oficiais de ligação da PSP na cooperação policial internacional (Trabalho final do 1.º Curso de Direcção e Estratégia Policial, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

André, A. (2013). As competências transversais e as práticas de gestão por competências: Um estudo exploratório de diferentes realidades organizacionais. (Dissertação de Mestrado em Gestão e Desenvolvimento de Recursos Humanos). Porto: Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto.

Bilhim, J. (2011). Questões Actuais de Gestão de Recursos Humanos (2ª ed.). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Bilhim, J. (2013). Teoria Organizacional - Estruturas e Pessoas (7ª ed.). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Black, J. & Gregersen, B. (1999). The right way to manage expats, Harward Business Review, vol. 77, no. 2, pp. 52-63.

Bogdan, R. & Biklen, S. (2013). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Brewster, C., Sparrow, P. & Vernon, G. (2007). International Human Resource Management (2nd ed.). London: Chartered Institute of Personnel and Development.

Briscoe, D., Schuler, R. & Claus, L. (2009) International human resource management: policies and practices for multinational enterprises (3rd ed.). London: Routledge.

Caligiuri, P. & Colakoglu, S. (2007) A strategic contingency approach to expatriate assignment management. Human Resource Management Journal, Volume 17, nº 4, p. 393-410

Camara, P. B. (2008). Gestão de pessoas em contexto internacional (1.ª ed.). Alfragide: Dom Quixote.

Camara, P. B. (2011). A expatriação em Portugal (1.ª ed.). Lisboa: RH.

Camara, P. B., Guerra, P. B., & Rodrigues, J. V. (2010). Novo Humanator: Recursos Humanos e Sucesso Empresarial. Alfragide: Dom Quixote.

Ceitil, M. (2010). Gestão e Desenvolvimento de Competências. Lisboa: Sílabo.

Chiavenato, I. (2006), Administração de Recursos Humanos: Fundamentos Básicos (6ª ed). São Paulo: Atlas.

Cunha, M. P., Rego, A., Cunha, R. C., Cardoso, C. C., & Neves, P. (2014). Manual de Comportamento Organizacional e de Gestão (7ª ed.). Lisboa: Editora RH.

Dialamícua, M. (2014). A influência da motivação intrínseca e das características da função no desempenho profissional dos trabalhadores da indústria hoteleira.

(Dissertação de Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Análise Organizacional). Lisboa: Faculdade de Ciências da Economia e da Empresa da Universidade Lusíada de Lisboa.

Dowling, P. & Welch, D. (2004). International human resource management (4th ed.). Londres: Thomson.

Elias, L. (2013). A Externalização da Segurança Interna: As dimensões global, europeia e lusófona. Relações Internacionais (R:I). n. 40, pp. 09-29. Lisboa: Instituto Português de Relações Internacionais.

Elias, L. (2009). A dimensão externa da segurança interna. Interdependência, estratégias nacionais e desafios internacionais (Trabalho final do 3.º Curso de Direcção e Estratégia Policial, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna).

Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Elias, L. (2012). Desafios da Segurança na Sociedade Globalizada. Observatório Político. Obtido de http://www.observatoriopolitico.pt

Evans, P., Pucik, V. & Barsoux, J. (2002) The global challenge: Frameworks for international human resource management. Boston: McGraw-Hill Irwin.

Farinha, L. (2005). A Polícia de Segurança Pública e a cooperação policial na União Europeia (Trabalho final do 1.º Curso de Direcção e Estratégia Policial, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Ferreira, A. (2015). Motivações dos expatriados qualificados que se deslocam de países desenvolvidos para países em desenvolvimento. (Dissertação de Mestrado em Economia e Gestão Internacional). Porto: Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

Finuras, P. (2011). Gestão intercultural: Pessoas e Carreiras na era da globalização. Lisboa: Edições Sílabo.

Fleury, M., & Fleury, A. (2001). Construindo o Conceito de Competência. Revista de Administração Contemporânea, Volume 5, Edição Especial, pp. 183-196. Rio de Janeiro: ANPAD.

Fleury, M., & Fleury, A. (2004). Alinhando Estratégia e Competência. RAE - Revista de Administração de Empresas, Volume 44, n.1, pp. 44-57. São Paulo: Fundação Getulio Vargas - Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

Fortes, A. (2015). A Polícia de Segurança Pública nas missões internacionais. Reflexões sobre o quadro normativo e formativo interno (Relatório final do Curso de Comando e Direção, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Fortin, M. (2009). O Processo de Investigação: da concepção à realização (5.ª ed.). Loures: Lusociência.

Freitas, C. (2006). Estudo da Motivação e da Liderança na Indústria Hoteleira da RAM. (Dissertação de Mestrado em Gestão Estratégica e Desenvolvimento do Turismo). Funchal: Universidade da Madeira.

Galhanas, C. (2009). A motivação dos recursos humanos nos novos modelos de gestão da Administração Pública. (Dissertação de Mestrado em Ciências Empresariais). Lisboa: Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa.

Gallon, S. (2011). Repatriação e Carreira: Possibilidades e desafios. (Dissertação de Mestrado em Administração). Porto Alegre (Brasil): Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ghiglione, R., & Matalon, B. (2001). O Inquérito: Teoria e Prática (4.ª ed.). (C. L. Pires, Trad.). Oeiras: Celta.

Giddens, A. (2006). O Mundo na era da globalização (6ª ed.). Lisboa: Editorial Presença.

Gomes, D. e Borba, D. (2011). Motivação no trabalho. In D. Gomes (Coord.) Psicologia das Organizações, do Trabalho e dos Recursos Humanos (pp. 241-319). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Gomes, P. (2005). A cooperação policial na União Europeia. Um desafio estratégico para a PSP (Trabalho final do 1.º Curso de Direcção e Estratégia Policial, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Hill, M., & Hill, A. (2009). Investigação por Questionário (2.ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Krippendorff, K. (2004). Content analysis: An introduction to its methodology (2nd ed.). Thousand Oaks, CA: Sage.

Leal, J. (2013). As práticas de gestão de carreiras e o comprometimento organizacional: Um estudo com trabalhadores residentes em Portugal. (Dissertação de Mestrado em Gestão do Potencial Humano). Lisboa: Instituto Superior de Gestão.

Lourenço, Nelson (2013), Sociedade global, segurança e criminalidade – Documento para o ensino. Lisboa: Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. Obtido de http://www.fd.unl.pt/docentes_docs/ma/aens_MA_20207.pdf

Mendenhall, M., Dunbar, E., & Oddou, G. (1987). Expatriate selection, training and career pathing: A review and critique. Human Resource Management, Volume 26, Issue 3, pp. 331-345.

Mineiro, S. (2013). Motivação, comunicação e liderança: Caso da Polícia de Segurança

Pública portuguesa. (Dissertação de Mestrado em Contabilidade e Gestão

das Instituições Financeiras). Lisboa: Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa.

Mitrev, S., & Culpepper, R. (2012). Expatriation in Europe: Factors and Insights.

The Journal of International Management Studies, Volume 7, n. 1, pp. 158-167.

Mota, P. (2011). Gestão de competências Organizacionais. (Dissertação de Mestrado em Engenharia Informática e Computadores). Lisboa: Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa.

Oliveira, J. (2016). O sistema de recompensas da PSP como fator de (des)motivação.

(Dissertação de Mestrado em Ciências Policiais). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Organização Internacional do Trabalho. (2002). Glossário de Termos Técnicos-Certificação e Avaliação de Competências. Brasília: OIT.

Pedro, M. (2013). Os modelos de competências e o seu contributo para a gestão de carreiras. ECOS – Estudos Contemporâneos da Subjetividade, Volume 4, n. 1. Brasil: Universidade Federal Fluminense.

Pereira, A. (2014). As ameaças transnacionais e a Segurança Interna. Revista de Ciências Militares. Vol. II, pp. 307-321. Lisboa: Instituto Universitário Militar.

Pessoa, F. (1986). Páginas de pensamento político, Volume II(Introdução, organização e notas de António Quadros). Mem Martins: Europa-América.

Polícia de Segurança Pública (2016). Grandes opções estratégicas da PSP para 2017-2020. Lisboa: Direção Nacional. Obtido de http://www.psp.pt/Documentos%20Varios/Grandes%20Op%C3%A7%C3%B5es%20Estrat%C3%A9gicas%20da%20PSP%20para%202017-2020%20%20VF%20assinada%20com%20capa.pdf

Quivy, R., & Campenhoudt, L. (2008). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Rego, A., & Cunha, M. P. (2009). Manual de Gestão Transcultural de Recursos Humanos. Lisboa: Editora RH.

Ryan, R., & Deci, E. (2000). Intrinsic and extrinsic motivations: Classic definitions

and new directions. Contemporary Educational Psychology, Volume 25, pp. 54 – 67.

Sá, T. (2015). Política Externa Portuguesa. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Santo, P. (2010). Introdução à metodologia das ciências sociais. Génese, fundamentos e problemas (1.ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Santos, G. (2015). A motivação dos expatriados e o seu bem-estar no trabalho: estudo exploratório numa empresa de construção em áfrica. (Dissertação de Mestrado em Psicologia). Lisboa: Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa.

Santos, S. (2012). As Nações Unidas, a OTAN, e a Política Externa e de Segurança Comum da União Europeia enquanto principais catalizadores da Segurança Internacional. Em J. Gouveia (coord.), Estudos de Direito e Segurança, pp. 423-448. Coimbra: Almedina.

Sarmento, M. (2013). Metodologia científica para a elaboração, escrita e apresentação de teses (1.ª ed.). Lisboa: Universidade Lusíada Editora.

Sequeira, J. (2005). Segurança Interna e Externa face às Novas Realidades.

PROELIUM, n. 4, pp. 47-67. Lisboa: Academia Militar.

Soares, S. (2008). A actualidade das operações de apoio à paz (Dissertação de Licenciatura, Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna).

Lisboa: Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Sousa, A. (2012). Implicações do Plano de Voluntariado na Motivação para o Trabalho Voluntário. (Dissertação de Mestrado em Gestão de Recursos Humanos). Braga: Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho.

Sousa, C. (2017). Tópicos de intervenção de S.Exª a Ministra da Administração Interna.

A Segurança Interna no Século XXI: Tendências e Dinâmicas. Lisboa: Gabinete da Ministra da Administração Interna. Obtido de http://academiamilitar.pt/images/Seminario_Seguranca_Interna/Interven%C3%A7%C3%A3o_S.Exa_MAI_na_Abertura_da_Confer%C3%AAncia_Seguran%C3%A7a_Interna_Sec_XXI.pdf

Sousa, M., & Baptista, C. (2011). Como Fazer Investigação, Dissertações, Teses e Relatórios. Lisboa: PACTOR - Edições de Ciências Sociais e Política Contemporânea.

Stahl, G. & Björkman, I (2006). Handbook of research in international human resource management. Great Britain: MPG Books Ltd.

Teixeira, N., Lourenço, N., & Piçarra, N. (2006). Estudo para a reforma do modelo de organização do sistema de segurança interna: Relatório Preliminar. Lisboa: Instituto Português de Relações Internacionais. Obtido de http://reformassi.mai-gov.info/wp-content/uploads/2007/03/estudo_preliminar.pdf

União Europeia (2010). Estratégia de segurança interna da União Europeia – Rumo a um modelo europeu de segurança. Bruxelas: Serviço das Publicações da União Europeia.

Downloads

Publicado

2018-01-09

Como Citar

Pinto, B., & Mendes, J. de S. (2018). Gestão internacional de recursos humanos na PSP: o perfil de competências do oficial de polícia expatriado. Lusíada. Política Internacional E Segurança, (15), 119–153. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lpis/article/view/2510

Edição

Secção

Dissertação de mestrado