Ascensão e queda da Irmandade Muçulmana no Egipto: de 11 de Fevereiro de 2011 a 14 de Agosto de 2013

José Manuel Rosendo Rodrigues

Resumo


No Egipto, a oposição ao regime dos militares tinha uma força principal: a Irmandade Muçulmana. Era oposição política e, simultaneamente, corpo da centralidade do Islão presente no quotidiano de todos os países árabes. Foi com esse lastro religioso e político que a Irmandade Muçulmana resistiu ao colonizador europeu e aos militares que, sucessivamente, ocuparam a presidência da república.

Aberta a porta da liberdade com a queda de Hosni Moubarak, a Irmandade venceu todas as eleições e todas as batalhas políticas decididas pela força do voto. Sempre olhada com receio pelo Ocidente, nomeadamente por Estados Unidos e Israel devido à posição geoestratégica do Egipto, a Irmandade não conseguiu dar resposta às necessidades de um país fortemente marcado pela pobreza e pelo desemprego e por anos de instabilidade política que fizeram cair a economia. Sem qualquer experiência governativa, a Irmandade Muçulmana também não soube ser inclusiva em relação a outras forças políticas. O receio de uma caminhada para o islamismo fez o resto.

Após milhares de mortos em confrontos e centenas de pessoas condenadas à morte, tudo parece ter voltado ao passado. Os militares continuam a determinar o futuro do Egipto, a Irmandade Muçulmana foi ilegalizada e considerada “organização terrorista”.


In Egypt, the military regime opposition was a major force: the Muslim Brotherhood. It was political opposition and simultaneously the body of the centrality of Islam present in the daily life of all Arab countries. It was with this religious and political ballast that the Muslim Brotherhood resisted the European colonizer and that military successively occupied the presidency of the republic.

Open the door to freedom with the fall of Hosni Mubarak, the Brotherhood won all elections and all political battles decided by the strength of the vote. Always look suspiciously by the West, especially by the United States and Israel due to the geo-strategic position of Egypt, the Brotherhood failed to meet the needs of a country strongly marked by poverty and unemployment and by years of political instability that brought down the economy. Without governmental experience, the Muslim Brotherhood did not know how to be inclusive in relation to other political forces. The fear of a hike to Islam did the rest.

After thousands of deaths in clashes and hundreds of people sentenced to death, everything seems to have returned to the past. The military continues to determine the future of Egypt, the Muslim Brotherhood was outlawed and considered “terrorist organization”.


Palavras-chave / Keywords

Egipto,Primavera Árabe,Irmandade Muçulmana,Mohammed Morsi,Hosni Moubarak,Abdel Fatah al-Sissi.

Egypt,Arab Spring,Muslim Brotherhood,Mohammed Morsi,Hosni Mubarak,Abdel Fatah al-Sissi.Key-words:


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica / Universidades Lusíada, 2004-2017
Serviços de Informação, Documentação e Internet
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 617 | Fax +351 213 638 307 | E-mail: revistas@lis.ulusiada.pt