NormasAutores

0. Nota prévia

A política editorial deste periódico pretende manter o mais elevado padrão científico. Para isso, os autores interessados em colaborar com este objectivo devem seguir as presentes instruções.

A revista receberá para publicação artigos originais que não tenham sido previamente publicados, e nem venham a ser em outros periódicos, sem autorização do Editor.

O Editor, reserva-se ao direito de modificar a estrutura do texto, quando necessária, sem prejudicar o seu conteúdo, com o objectivo de uniformizar a apresentação.

As colaborações serão agendadas para publicação por ordem cronológica de recepção, e devem ser enviadas ao cuidado do Director da Revista.

PARTE I. NORMAS DE REDACÇÃO

1. Formato do documento

1.1. Texto

O artigo deve ser redigido em MS Word, versão 8.0 ou superior, com as seguintes Configurações:
• folhas A4 (210x197 mm);
• margens de 3 em (superior, inferior, esquerda e direita);
• texto justificado;
• parágrafos de 1,25 em;
• fonte Times New Roman, tamanho 12;
• espaço duplo;
• 30 páginas no máximo, com 261inhas cada, incluindo as ilustrações.

1.2. Material gráfico e ilustrações:

Devem ser realizados em MS Word, versão 8.0 ou superior, com as seguintes configurações:

• fonte Times New Roman, tamanho 8;
• duas opções de largura (8,5 em ou 16 em);
• a preto e branco ou a cores;
• devem apresentar-se dentro do próprio artigo;
• o título deve ser apresentado em Times New Roman, tamanho 8, a negro, antes da figura;
• a legenda deve ser apresentada em Times New Roman, tamanho 8, depois da figura;
• numeradas de forma sequencial, em numeração árabe.

1.3. Estrutura do texto

• Página 1: Página de rosto

Título e autoria (s)
a) Título e subtítulo em Times New Roman, tamanho 14;
b) nome (s) e sobrenome(s) do(s) autor(es) sem abreviaturas, com a identificação da instituição;
c) contactos: endereço postal, e-mail, telefone, fax, para envio de correspondência.

Resumo / Abstract
O resumo deve ser escrito em Times New Roman, tamanho 10, em português e inglês. Deve apresentar também uma exposição breve e clara e não deve exceder as 200 palavras.

Palavras-chave / Key-words
Devem ser incluídas no máximo seis palavras-chave em língua portuguesa e em língua inglesa.

Sumário
Apresentar, de forma organizada, os capítulos e sub-capítulos do texto.

• Página 2:

Agradecimentos
Quando necessária, podem ser feitos os agradecimentos relativos as assistências científica, técnica e financeira.

• Página 3 e seguintes:

Capítulos e sub-capítulos
Os capítulos e os sub-capítulos devem iniciar com letra maiúscula, sendo as demais letras minúsculas.

Exemplo:
Capítulo do artigo
1. A subsidiariedade no pensamento político-jurídico europeu
(Times New Roman, tamanho 12, a negro)

Sub-capítulos do artigo
1.1. Regime de execução
(Times New Roman, tamanho 12, a negro)

1.1.1. As principais opiniões na doutrina
(Times New Roman, tamanho 12, a negro)

1.1.1.1. Observações prévias
(Times New Roman, tamanho 12, a negro)

Numeração das páginas

Os números das páginas devem ser inseridos no canto inferior direito, em nota de rodapé.

1.4. Abreviaturas, siglas e acrónimos

A utilização de abreviaturas, siglas e acrónimos deve ser restringida à forma padrão, evitando a utilização das mesmas no título. A designação completo à qual se refere uma abreviatura, uma sigla ou um acrónimo deve preceder a primeira indicação destas no texto, a não ser que se trate de uma unidade de medida padrão. Não utilizar pontos nas siglas (exemplo: UE em vez de U.E.).

1.5.Unidades de medida

Deve ser usado o sistema internacional de medidas. As medidas de comprimento, altura, peso e volume devem ser expressas em unidades do sistema métrico (metro, quilograma ou litro) ou seus múltiplos decimais. A temperatura deve ser expressa em graus Celsius. Deve ser deixado um espaço entre os numerais e as unidades de medida que serão reproduzidas sempre em minúsculas.

Exemplos:

3,5 m ; 100 km2 ; 251

1.6. Fórmulas e equações

As equações e as fórmulas devem ser colocadas numa nova linha e centradas em relação ao texto.

Exemplo:

X+Y=Z

1.7. Apresentação de datas

A menção a datas de elevada grandeza cronológica, tais como II milénio, século X, segundo quartel do século XV, não referindo especificamente o ano, seguirá o sistema tradicional português de a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo).

1.8. Numerais

Os números, quando não forem seguidos por unidades de medida, deverão ser apresentados por extenso, de primeiro a décimo e de um a dez (inclusive), e por algarismos a partir deste último numero.

1.9. Referências bibliográficas

As referências e as citações bibliográficas devem ser elaboradas de acordo com as normas ISO 690-I, de 15 de Agosto de 1987, 690-11, de15 de Novembro de 1997.

A bibliografia deve ser apresentada no final do artigo, em listagem organizada por ordem alfabética de todos os autores citados ao longo do texto.

1.9.1. Autorias

Até três autores
Quando o número de responsáveis da obra não excede os três, indicam-se todos, pela ordem de apresentação na obra.

PEREIRA, Isabel, BOST, Jean-Pierre, HIERNARD, Jean. Fouilles de Conimbriga: les monnaies. Paris: Diffusion E. de Boccard, 1974.

Mais de três autores
Quando o número de responsáveis da obra excede os três, indica-se o nome do primeiro, seguido de vírgula e a expressão et al.

ETIENNE, Robert, et al. Fouilles de Conimbriga: épigraphie et sculpture. Paris: E. de Boccard, 1976.

Colectividades
Quando aparece uma menção de responsabilidade, de uma pessoa colectiva, a referência deve ser feita conforme aparece na obra.

NATO. NATO at a glance: a factual survey of issues and challenges facing the Alliance at the end of the 1990s. Brussels: NATO, 1996.

Autores espanhóis
Os autores espanhóis devem ser referidos pelo primeiro apelido.

YZQUIERDO TOLSADA, Mariano. Responsabilidad civil contractual y extracontractual. Madrid: Reus, 1993.

1.9.2. Título e complemento de título

O título e o complemento de título devem ser reproduzidos tal como aparecem na obra. A indicação ao complemento de título deve ser feita depois da menção ao título, precedido por um espaço, dois pontos e, novamente, um espaço.

PECAUT, Jean Elie. A arte: palestra simples para uso da juventude.
Porto: Educação Nacional, 1934.

1.9.3. Edição

Deve-se indicar o número de edição da obra (à excepção da primeira edição) e utilizam-se abreviaturas normalizadas e números árabes.

Exemplos: 4th ed. ; 2e ed. ; 3.aed

VARELA, João de Matos Antunes. Das obrigações em geral. 1Oa ed., revista e actualizada. Coimbra: Almedina, 2000.

1.9.4. Local de edição

O local de edição deve ser mencionado e escrito na língua original do documento, tal como aparece na obra.

Vários locais de edição
Se a fonte indica a existência de vários lugares de edição, devem ser referidos tal como aparecem na obra, separados por espaço, ponto e vírgula e, novamente, um espaço.

GOLITSYN, Anatoliy. The Perestroika deception: memoranda to the Central Intelligence Agency. 2nd ed. London; New York: Edward Harle, 1998.

Caso a fonte indique mais do que três locais de publicação, deve ser feita a menção do primeiro local (ou o mais destacado) seguido da expressão etc. entre parentêses rectos.

HICKS, Michael J. Problem solving in business and management: hard, soft and creative approaches. London [etc.] :International Thomson Bussiness Press, 1999.

Local de edição desconhecido
Se na fonte não for indicado qualquer local de edição, deve ser utilizada a expressão S.l. (Sine loco) entre parenteses rectos.

HAUSER, Arnold. Storia sociale dell'arte. [S.l.] : Einaudi, 1955.

1.9.5. Editor

Nome do editor
O nome do editor deve ser mencionado tal como aparece na fonte, podendo, em alguns casos, ser referido na forma abreviada ou através de sigla ou acrónimo pelo qual seja conhecido.

BERGERES, Maurice-Christian. Contentieux communautaire. 3e ed. Paris: PUF, 1998.

GERADIN, Damien. Trade and the environment: A comparative study of EC and WE law. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

Editor desconhecido
Se na fonte não houver indicação relativamente ao nome do editor, deve ser utilizada a expressão s.n.(Sine nomine) entre parênteses rectos.

DIAS, Augusto Manuel Gomes da Silva. Os crimes de fraude fiscal e d abuso de confiam (:a fiscal: alguns aspectos dogmáticos e político criminais. Lisboa: [s.n.], 1999.

1.9.6. Data de edição

A data de edição (ano) é transcrita tal como aparece na fonte, em números árabes.

Edição em vários anos
Se uma obra for publicada em várias partes com diferentes datas de edição deve ser indicada a data de edição do início e do fim de edição. Se a obra ainda não tiver terminado de ser publicada, deve ser indicada a data de início da edição, seguida de um traço.

PAVÓN MALDONADO, Basilio. Tratado de arquitectura hispanomusulmana. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1990-1999.

Data de edição desconhecida
Se o ano de edição não puder ser determinado na fonte, pode ser substituído pela data de copyright, de impressão, de Depósito Legal, ou por uma data presumida.

ALIBONI, Roberto, AMMOR, Fouad, VASCONCELOS, Álvaro de. Integration et securite dans l'espace euro-mediterraneen. Cascais: P1incipia, cop. 2002.

COCKFIELD, Francis Arthur. The European Union: creating the single market. Chichester: John Wiley & Sons, imp. 1996.

BLANPAIN, Roger. The Bosman case: the end of the transfer system?.Leuven: Sweet&Maxwell, DL 1996.

MALTEZ, José Adelino. Tudo pela Europa, nada contra a nação: doze reflexões sobre ser europeu em Portugal, na era pós-maestrichtiana. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, [1996?].

1.9.7. Tipos de documentos

1.9.7.1. Monografias

Exemplo:
WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. 6.a ed. Lisboa: Presença, 2001. Texto de apoio; 21. Tradução de: Maria Jorge Vilar de Figueiredo.

1.9.7.2.Contribuições em monografias

Exemplo:
MOREIRA, Adriano. O tempo tribulo português. In CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÀRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS, 5, Lisboa, 1994. Multiculturalismo: comunicações. Lisboa: Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, 1994. V. 1: Bibliotecas, p. 17-23.

1.9.7.3. Publicações em série

Exemplo:
Negócios estrangeiros. Ministério dos Negócios Estrangeiros, Instituto
Diplomático. No. 1-. Lisboa: Instituto Diplomático, 2001-. ISSN
1645-1244.

1.9.7.4. Artigos de publicações em série

Exemplo:
FARIA, Maria de Fátima. Microfilme em bibliotecas e arquivos portugueses
: ponto da situação. Cadernos BAD. 1991, no. 2, p. 107-111.

1.9.7.5. Monografias electrónicas

Exemplos:
HILLMANN, Diane. Using Dublin Core [em linha]. [Ohio]: Dublin Core Metadata Initiative, 12 April 2001 [referência de 10 de Março de 2002]. Disponível na Internet em: <http://dublincore.org/documents/2001/04112/ usageguide/>.

UNIÃO EUROPEIA. Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho. The state of occupational safety and health in Europe [CD­ ROM]:pilot study. Luxembourg: EUR-OP, 2001. Requisitos do sistema: Windows 95, 98, 2000, NT; 200 MHz Pentium MMX; 6xCD-ROM; 32
MB RAM; 800x600 display (1024x768 suggested); High color; Adobe
Acrobat Reader.

1.9.7.6. Contribuições em monografias electrónicas

Exemplo:
COSTA, José Gonçalves da. O poder judicial numa sociedade democrática. In O poder judicial na viragem do seculo [em linha]. [Lisboa]: Associação dos Juízes Portugueses, 1997 [referência de 30 de Novembro de 2000]. Disponível na Internet em: <http://www.cidadevirtual.pt/asjp/congresso/ goncalves_costa.html>.

1.9.7.7. Publicações em série electrónicas

Exemplo:
European economic perspectives [em linha]. London: Centre for Economic Policy Research, 1993- [refêrencia de 26 de Março de 2002]. Trimestral. Disponível na Internet em: <http://www.cepr.org/pubs/EEP/archive.htm>.

1.9.7.8. Artigos de publicações em série electrónicas

Exemplo:
MCCULLOCH, Neil, WINTERS, L. Alan, CIRERA, Xavier. Policies for the poor. European econmnic perspective [em linha]. October 2001, no.
29 [refêrencia de 26 de Marc;o de 2002], p. 1-2. Disponível na Internet em: <http://www.cepr.org/pubs!EEPIEEP29/policies_for_the_poor.htrn>.

1.10. Citações

1.10.1. Método de citação numérica

Os números em expoente ou entre parênteses remetem o leitor para a referência bibliográfica.

Se forem feitas citações de partes particulares de um documento, o número das páginas pode aparecer a seguir ao número de citação. As referências são apresentadas dentro de uma ordem numérica sequencial

Exemplo:

Texto
The notion of an invisible college has been explored in the sciences (24). Its absence among historians is noted by Stieg ( 13, p. 556). It may be, as Burchard (8) points out..

Referências bibliográficas
8. BURCHARD, J.E. How humanists use a library. In Intrex: report of a planning conference on information transfer experiemnts. Cambridge : MIT Press, 1995, p. 219.

13. STIEG, M.F. The information needs of historians. College and research libraries, Nov. 1981, vol. 42, no. 6, p. 549-560.

24. CRANE, D. Invisible colleges. Chicago: University of Chicago Press,
1972.

Citações em notas

Os números, em expoente ou entre parênteses, seguidos das citações do texto, reenviam para as notas que são apresentadas numericamente por ordem de aparição no texto. Essas notas podem conter citações. Um número de nota pode ser utilizado por cada citação ou por cada grupo de citações. A nota correspondente pode citar mais do que um documento.

Se um documento é citado diversas vezes, as citações posteriores recebem números diferentes. Sempre que uma nota faça uma remissiva para um documento já citado, a citação deve ser repetida e deve ser dado o número da nota anterior com os números das páginas citadas.

Primeira citação

Se as citações forem apresentadas em notas, a primeira citação a um documento deve conter os elementos necessários para assegurar a correspondência exacta entre a citação e a entrada apropriada na lista de referências bibliográficas.

A primeira citação deve conter no mínimo o (s) nome (s) do (s) autor (es) e o título completo, tal como figuram nas referências bibliográficas, bem como o (s) número (s) de página (s), se necessário.

Se, o (s) autor (es) e o título, não forem suficientes para diferenciar as entradas na lista de referências bibliográficas, a citação deve incluir os elementos suplementares (edição, ano de publica ao, etc.) necessários para assegurar a correspondência exacta com a refêrencia.

Exemplo:
Texto
The notion of an invisible college has been explored in the sciences32. Its absence among historians is noted by Stieg33. It may be, as Burchard34 points out...

Citações
32. CRANE, D., Invisible colleges.

33. STEIG, M.F., The information needs of historians, p. 556.

34. BURCHARD, J.E., How humanists use a library, p. 219.

Referências bibliográficas
BURCHARD, J.E. How humanists use a library. In Intrex : report of a planning conference on information transfer experiemnts. Cambridge: MIT Press, 1995, p. 219.
CRANE, D.

Invisible colleges. Chicago: University of Chicago Press, 1972.

STIEG, M.F. The information needs of historians. College and research libraries, Nov. 1981, vol. 42, no. 6, p. 549-560.

Se uma mesma referência é citada várias vezes, podemos abreviá-la de forma clara e explícita na primeira citação.

Exemplo:

Primeira citação
NATHANIEL, Shurtleff, ed., Records of the governor and company of the Massachusetts Bay in New England, Boston, [s.n.], 1853-54, 5 vols.,
vol. 1, p. 126 (citado à frente como Mass. Records).

Segunda citação e seguintes
A segunda citação de um documento e as seguintes podem ser reduzidas ao (s) apelido (s) do (s) autor (es) e a um título resumido, seguido do (s) número (s) de página (s) citada (s) ou da forma abreviada apresentada na primeira citação.

Exemplo:

SUTTON, The analysis of free verse form, p. 246.

Mass. Records, p. 128.

Se as citações são numeradas pela sua ordem de aparição, a segunda citação e as seguintes podem ser reduzidas ao (s) nome (s) do (s) autor (es) e ao número de referência correspondente à primeira citação, seguido do (s) número (s) de página (s) citada (s).

Exemplo
Texto
The notion of an invisible college has been explored in the sciences32.1ts absence among historians is noted by Stieg33. It may be, as Burchard34 points out ... Stieg35 has further noted...

Citações
32. CRANE, D. Invisible colleges. Chicago: University of Chicago Press,
1972.

33. STIEG, M.F. The information needs of historians. College and research libraries, Nov. 1981, vol. 42, no. 6, p. 549-560.

34. BURCHARD, J.E. How humanists use a library. In Intrex: report of a planning conference on information transfer experiments. Cambridge: MIT Press, 1995.

35. STIEG, ref. 33, p. 556.

1.10.2. Método de autor-data

O primeiro elemento (apelido do autor) e o ano de publicação do documento citado são referidos no texto.

Se o primeiro elemento é dado no decorrer do texto, o ano deve ser apresentado de seguida entre parênteses, caso contrário, o apelido do autor e o ano de publicação são mencionados entre parênteses.

Se dois ou mais documentos possuírem o mesmo apelido e o mesmo ano de publicação, devem ser distinguidos por letras minúsculas (a, b, c, etc.) a seguir ao ano, dentro de parênteses.

As referências dos documentos são apresentadas em lista bibliográfica, por ordem alfabética do primeiro elemento, seguido do ano de publicação e, quando necessário, a letra minúscula.

Exemplo:
Texto e citações
The notion of an invisible college has been explored in the sciences (Crane,
1972). Its absence among historians is noted by Stieg (1981, p. 556). It may be, as Burchard (1965, p. 219) points out...

Referências bibliográficas
BURCHARD, J.E. 1995. How humanists use a library. In Intrex: report of a planning conference on il1formation transfer experiments. Cambridge: MIT Press.

CRANE, D. 1972. Invisible colleges. Chicago: University of Chicago Press.

STIEG, M.F. 1981. The information needs of historians. College and research libraries, Nov. 1981, vol. 42, no. 6, p. 549-560.

Para os documentos que tenham mais de dois autores, podemos abreviar a citação e dar apenas o nome do primeiro autor, seguido de et al., tendo em conta que a forma abreviada não deve entrar em conflito com referência bibliográfica.

Se a lista de referências bibliográficas contiver vários documentos do mesmo autor, publicados no mesmo ano, junta-se uma letra (a, b, c, etc.) ao ano de publicação. A letra deve ser colocada tanto na citação como na referência bibliográfica para assegurar a correspondência exacta entre as duas.

Exemplo:

(Pasteur, 1848a).

PARTE II. INSTRUÇÔES AOS AUTORES

2. Declaração de autoria e autorização de publicação

Os artigos deverão ser acompanhados de uma Declaração de Autoria e Autorização de Publicação, devidamente assinada. 1

3. Entrega dos originais

Os originais para publicação devem ser enviados em formato electrónico (disquete e/ou CD-ROM), aos quais deve ser anexado um Curriculum Vitae apresentado de acordo com o Modelo Comum Europeu. 1

Os originais podem ser enviados para os seguintes contactos:

Universidade Lusíada Editora
Rua da Junqueira, 188-198
1349-001 Lisboa ·
e-mail: editora@ lis.ulusiada.pt

4. Artigos aceites e recusados

Será comunicado aos autores por telefone e/ou e-mail o resultado da avaliação dos artigos propostos para publicação.

4.1. Artigos aceites

Os artigos aceites para publicação serão enviados aos autores para aprovação de eventuais alterações decorrentes do processo de edição e normalização de acordo como estilo da revista.

Os artigos aceites para publicação serão igualmente divulgados no sítio web da Editora.

4.2. Artigos recusados

Os originais dos artigos recusados não serão devolvidos, a menos que sejam solicitados pelos respectivos autores no prazo de seis meses.

Os artigos recusados podem ser reformulados e reenviados como novo trabalho.

5. Revisão e correcção das provas

Quando da publicação serão enviadas provas impressas aos autores para revisão, que devem ser devolvidas no prazo de três dias úteis.

Os artigos são passíveis de revisão editorial, quando necessário, para eventuais correcções de estilo e de forma.

A Revista não se responsabiliza pela publicação de erros no texto final dos artigos: a revisão e eventual correcção das provas tipográficas será da exclusiva responsabilidade dos autores. As despesas das alterações no conteúdo, depois das provas tipográficas, serão por conta dos autores.