N. 14 (2012)

					Ver N. 14 (2012)

Falar da “coisa pública” está na ordem do dia. Não tem a ver com a modernidade, é conversa cíclica de todos os tempos, em todos os espaços. Porém, nos dias de hoje, a conversa sobre a “coisa pública” subiu de intensidade. A mudança explica-se face à crescente desacreditação social da capacidade do Estado assegurar de forma financeiramente sustentável a gestão da “coisa pública”, criando novas pressões e constrangimentos. O contexto de volatilidade socioeconómica, em resultado da restrição orçamental do momento, coloca um conjunto de constrangimentos na despesa do Estado e, consequentemente, gera um novo e crescente arrazoado do cidadão com a “coisa pública”; facto aproveitado e amplificado pela comunicação social. A todas as horas, um número crescente de opinion makers tem guarida nos écrans da televisão, não para dizerem aquilo que não sabem, mas para dizerem aquilo que acham.

Publicado: 06-03-2014
ISSN: 1645-6750
e-ISSN: 2183-3044
Editora: Universidade Lusíada Editora