Lusíada. Economia e Empresa http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee <p>A revista "Lusíada. Economia &amp; Empresa” é um periódico multidisciplinar, de informação independente e pluralista, de apoio ao ensino e divulgação das Ciências Sociais na área da economia e da gestão das organizações públicas e privadas. Propõe-se divulgar trabalhos científicos e académicos resultantes de dissertações de mestrado e de teses de doutoramento, destinados a investigadores, docentes, estudantes, empresários e profissionais com interesse científico nas temáticas da Economia e da Gestão Empresarial. Pretende, também, ser um espaço aberto à participação de colaboradores, especialmente convidados pelos seus méritos profissionais, com comprovadas experiências teóricas e práticas nos domínios da Economia e da Gestão.</p> pt-PT antonio.rebelo.sousa@hotmail.com (Prof. Doutor António Jorge Duarte Rebelo de Sousa) helder.machado@lis.ulusiada.pt (Dr. Helder da Rocha Machado) Thu, 26 Aug 2021 00:00:00 +0000 OJS 3.3.0.7 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Malthus e os 200 anos do princípio da procura efectiva http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2878 <p>Pergunta: que economista está associado ao chamado princípio da procura efectiva? Julgamos que a resposta mais imediata, mais comum, será Keynes. Todavia, a verdade é que o próprio atribui, correctamente, o mérito a Malthus. Esta curta Efeméride de divulgação visa reparar essa recorrente “injustiça histórica”.<br><br>Com efeito, faz agora 200 anos que Malthus (1820, Pg. 417) escreveu: “<em>General wealth will always follow effective demand</em>”. Essa postura contrariava a posição mais aceite na época: caso do seu amigo e tantas vezes opositor, Ricardo, seguidor da “<em>loi des débouchés</em>” de Say (1803). Sintetizando: como factor explicativo do desempenho da economia, Malthus (e Keynes) privilegia a procura, Say (e Ricardo) a oferta.<br><br>Este, ainda antes da publicação da versão francesa de Malthus (1820), endereçou-lhe uma carta pública (Say, 1820), reafirmando a validade da sua lei, “<em>les produits s´echangent contre des produits</em>” (com reminiscências de Lavoisier), fundamentada em argumentos igualmente dirigidos às críticas do socialista Sismondi (1819). (...)</p> Virgílio Rapaz Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2878 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 “Il faut achever l’Euro: tout ce que vous avez toujours voulu savoir sur l’Euro (sans oser le demander)” / Jean Quatremer. Paris : Calmann Lévy, 2019 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2879 <p>A tese principal do texto em apreciação consiste em defender que, se os governos não tiverem a coragem de concluir a construção do euro, esta moeda sem Estado desaparecerá. E, para ultimar essa tarefa, haverá que adoptar uma solução federalista.<br><br>O Autor deste espesso volume (“<em>un gros pavé”&nbsp;</em>de 666 páginas), Jean Quatremer, é um influente jornalista francês, especializado nas questões europeias, com vasta colaboração em crónicas (no diário&nbsp;<em>Libération</em>, desde 1984), reportagens, programas televisivos, livros. A sua presença em Conferências de Imprensa respeitantes ao lançamento e ao funcionamento da área do euro e uma intensa actividade de entrevistador permitem-lhe ir além da simples análise dos comunicados oficiais, partilhando uma grande riqueza de detalhes. Esta intervenção tem-lhe granjeado ilustre reconhecimento entre os seus pares e seguidores nas redes sociais e valido importantes prémios gauleses e europeus.<br><br>A veia jornalística revela-se, outrossim, no estilo utilizado, com imagens literárias que nos remetem para diferentes contextos culturais, nomeadamente, referências cinematográficas, a começar pela ostensiva piscadela de olho no exergo da capa (1).<br><br>Ao potencial leitor do livro, com eventuais reservas sobre a falta de credenciais mais académicas, recordaremos que alguns dos nomes maiores da história do pensamento económico foram, também, jornalistas antes das suas carreiras universitárias: por exemplo, Menger, mais tarde, um dos fundadores do marginalismo, ou Wicksell, futuro chefe de fila da escola sueca.<br><br>O título, pérola de ambiguidade (2), começa por deixar em dúvida sobre a sua posição. “<em>Achever</em>” tanto pode significar concluir, terminar, rematar, como abater, eliminar, matar. Porém, o texto dissipa a dúvida, ao afirmar que o euro é uma “<em>monnaie inachevée</em>” (Pg. 14), logo, a escolha simples, com que nos defrontamos, é entre “<em>parachever l’euro ou l’achever</em>” (Pg. 21).</p> Virgílio Rapaz Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2879 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Nota de abertura http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2870 <p>A presente edição da revista “Lusíada. Economia &amp; Empresa” integra nove contribuições, particularmente, interessantes.<br><br>A Professora Doutora Ana Harfouche, o Mestre ldalécio Lourenço e o Licenciado Estevão Soares dos Santos apresentam um artigo intitulado de “Há adequação do perfil de procura pelos serviços de urgência? — Um estudo exante surto pandémico — COVID-19”.<br><br>O texto pretende obter evidência sobre a adequação ou não do perfil da procura à missão e à própria natureza dos serviços de urgência, permitindo, inclusive, pensar em medidas que possam ser adoptadas tendo em vista um eventual redireccionamento da procura, evitando a utilização em excesso dos serviços de urgência.<br><br>O estudo centrou-se nos seis serviços de urgência existentes nas três unidades do Centro Hospitalar do Oeste.<br><br>Procurou-se dar uma perspectiva dinâmica dos problemas com que se defronta o sector das urgências, no sentido de se encontrarem “portas de saída” para os estrangulamentos e ineficiências existentes.<br><br>De um modo geral, conclui-se que se recorre excessivamente às urgências e que deveria reorientar-se uma parte substancial dos doentes para os cuidados primários, no pressuposto da existência de unidades periféricas de qualidade e com a necessária capacidade de resposta face às solicitações da procura.<br><br>O Professor Doutor Miguel Fonseca, o Professor Doutor Rui Henrique Alves e a Mestre Ana Luísa Pinto contribuem com um artigo intitulado “Towards on Asian-Pacific or Atlantic Countries”.<br><br>Trata-se de um estudo que pretende analisar se o século XXI será, sobretudo, de afirmação do Atlântico ou da Ásia-Pacífico.<br><br>Os autores concluem que o Atlântico está a perder “centralidadeeconómica”, muito embora se reconheça que a região Ásia-Pacífico se confronta com alguns desafios importantes em termos de “soft power”, de influência na liderança global e em termos de desenvolvimento humano.<br><br>A Professora Doutora Ana Pires de Carvalho escreve um interessante artigo subordinado ao tema “Population Growth Challenges in Sub-Saharan Africa: are they just demographic?”<br><br>Segundo a autora, a “força demográfica” na região da África SubSahariana vai ser de continuação de um significativo crescimento populacional, o que colocará diversos problemas sócio-económicos aos países da região.<br><br>A autora sugere que, apesar de o Malthusianismo não representar, necessariamente, uma visão do futuro, alguns dos aspectos caracterizadores da produção teórica de Malthus estão a ser experimentados em alguns países.<br><br>O Professor Doutor Carlos Barracho apresenta um artigo sobre “O pensamento de Landes perante a obra de Weber: breve reflexão”.<br><br>O autor relembra as teses de Weber sobre o papel do protestantismo e, em particular, do calvinismo na origem do capitalismo, salientando que Landes defende que “nem a nível empírico, onde os registos mostram que os mercadores e manufactureiros protestantes desempenharam um papel de líderes no comércio, na finança e na indústria, se pode anular a importância” do pensamento weberiano.<br><br>Conclui o autor afirmando que “o processo educacional pode ser responsável pelo sucesso dos indivíduos, devido à necessidade de realização que se traduz no desejo de ser bem-sucedido”, o que explicaria o que designa de “incremento económico dos sujeitos”, o que, por sua vez, permitiria o desenvolvimento do “espírito do capitalismo”.<br><br>O Professor Guilherme Waldemar d’Oliveira Martins e a Licenciada Joana Graça Moura contribuem com um artigo intitulado “Tax system in times of crisis: the case of the COVID-19 Pandemic”.<br><br>Os autores começam por analisar os desafios lançados pela revolução liberal do século XIX, numa perspectiva, ainda, bastante diferente da actual, tendo em conta a evolução do princípio da equidade e da igualdade, de acordo com a noção de privilégio e o seu carácter excepcional em relação à matéria aplicável ao nível da Lei Geral.<br><br>Os autores concluem que a acção governativa, em Portugal, privilegia a mobilização de bens privados para uma resposta tendo em vista satisfazer as responsabilidades ao nível da saúde e da segurança do Estado e das populações.<br><br>O Professor Doutor Miguel Coelho tem vindo a participar regularmente nas edições da nossa revista, tendo, agora, elaborado um artigo que se intitula de “Impacto no sistema da segurança social português”.<br><br>Segundo o autor, a crise da saúde pública originada pela COVID 19 está a ter consequências severas do ponto de vista económico, sendo previsível, segundo a OCDE, que os efeitos da presente epidemia venham a ter um impacto negativo na economia portuguesa, no seu conjunto.<br><br>Será mesmo possível que a sobredita pandemia venha a afectar, a longo prazo, a sustentabilidade do Sistema de Segurança Social.<br><br>Já o Professor Doutor Virgílio Rapaz optou por nos presentear com um excelente artigo sobre “Malthus e os 200 anos do princípio da procura efectiva”.<br><br>O autor questiona quem está associado ao princípio da procura efectiva, adiantando que a resposta mais imediata é o grande economista Keynes.<br><br>Todavia, o próprio atribuía o mérito a Malthus. Virgílio Rapaz pretende reparar essa recorrente “injustiça histórica”, uma vez que, em 1820, Malthus já havia afirmado que “general wealth will always follow effective demand”, o que leva a concluir-se que, como factor explicativo do desempenho da economia, se deveria privilegiar a procura.<br><br>Conforme explica, aliás, o autor, “a procura dita ‘efectiva’ de Keynes não é mais do que uma procura ‘expected’, fazendo até mais sentido designá-la de ‘potential’”.<br><br>A finalizar, Virgílio Rapaz acompanha Keynes numa homenagem a Malthus, relembrando as palavras do referido Keynes no sentido de que “if only Malthus, instead of Ricardo, had been the parent stem from which nineteen century economists proceeded, what a much wiser and nicer world would be today”.<br><br>O mesmo Professor Doutor Virgílio Rapaz contribui para a presente edição com uma recensão do livro “Il faut achever l’Euro” de Jean Quatremer.<br><br>O autor salienta que a ideia principal do supramencionado livro consiste na defesa da tese de que, se os governos não tiverem coragem de concluir a construção do euro, esta moeda sem Estado desaparecerá. Mais, para ultimar essa tarefa, haverá que optar por uma solução federalista.<br><br>O autor refere, entre múltiplos aspectos relevantes, a iniciativa do Sistema Monetário Europeu desencadeada por Valéry Giscard d’Estaing e Helmut Schmidt, esquecendo, todavia, o papel desempenhado pelo Comissário Europeu Roy Jenkins, algo que não é habitual em Virgílio Rapaz.<br><br>No final do seu livro, Quatremer propõe “um orçamento que possa desempenhar o mesmo papel que o orçamento federal dos EUA, um Tesouro europeu, capaz de se endividar nos mercados a taxas sustentadamente baixas, um Ministro das Finanças controlando essas actividades sob a vigilância de um Parlamento da área do euro e uma União Bancária acabada”. Enfim, “uma federalização da zona euro”.<br><br>Em síntese, Virgílio Rapaz, não obstante formular diversas críticas à obra em apreciação, considera que a mesma constitui uma fonte útil e rica de informação sobre a criação, o funcionamento e a sobrevivência do euro.<br><br>Por último, o autor da presente “Nota de abertura” apresenta um modesto texto intitulado “Exports and FDI: Policy lnstruments and Economic Diplomacy”, no qual procura explicar as diferentes tipologias da interna-cionalização, desde a “internacionalização suave” à “forte”, bem como os instrumentos que poderão vir a ser utilizados tendo em vista a internacionalização da economia portuguesa.<br><br>Procura-se, ainda, no referido texto, explicar a relevância da SOFID - Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento e apresentar algumas propostas alternativas tendo em vista a implementação de um modelo de desenvolvimento da economia portuguesa.<br><br>Em suma, trata-se de mais uma edição da revista “Lusíada. Economia &amp; Empresa” que abarca nove artigos sobre assuntos diferenciados, de grande actualidade e numa perspectiva económico-social, permitindo descobrir novos caminhos e construir novas soluções a todos aqueles que se considerem, genuinamente, cidadãos de um Mundo que tem que ir encontrando, a cada momento, um projecto de futuro que saiba conciliar a ciência com a ética e com o senso-comum.</p> António Rebelo de Sousa Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2870 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Há adequação do perfil de procura pelos serviços de urgência? Um estudo "ex ante" surto pandémico – Covid-19. http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2871 <p><strong>Introdução:</strong>&nbsp;Este estudo pretendeu obter evidência sobre a adequação ou desadequação do perfil de procura à missão e à natureza dos serviços de urgência. A pergunta de partida foi: “Qual a tipologia dos episódios de urgência admitidos e a sua adequação à missão de um serviço de urgência?”<br><br><br><strong>Enquadramento:</strong>&nbsp;Com este estudo, pretendeu-se conhecer o perfil de procura pelos serviços de urgência para fundamentar a tomada de decisão sobre a alocação de meios, prioridades dos recursos e competências que suportam a prestação dos serviços de urgência hospitalares.<br><br>É crucial conhecer o perfil dos episódios de urgência para ilustrar a perceção relacionada com a procura excessiva a estes serviços e, também, para permitir estabelecer um planeamento, quer de profissionais, quer de recursos materiais e financeiros eficientes e eficazes. Este conhecimento permite sobretudo pensar em medidas que podem ser adotadas no redireccionamento desta procura, através de fluxos de processos mais racionais do acesso para serviços menos diferenciados evitando, assim, a sobreutilização dos serviços de urgência.<br><br><br><strong>Objetivo:</strong>&nbsp;O principal objetivo foi estudar através da caracterização dos episódios de urgência, a procura pelos seis serviços de urgência nas três unidades do Centro Hospitalar do Oeste (CHOeste): I. Unidade de Caldas da Rainha – serviço de urgência médico-cirúrgico; serviço de urgência de ginecologia/obstetrícia; serviço de urgência pediátrica; II. Unidade de Torres Vedras - serviço de urgência médico-cirúrgico; serviço de urgência pediátrica; III. Unidade de Peniche - serviço de urgência básica.<br><br><br><strong>Metodologia:</strong>&nbsp;Tratou-se de um estudo retrospetivo, descritivo com base numa análise Univariada, sendo uma primeira intervenção analítica para conhecimento dos episódios dos seis serviços de urgência que, através de algoritmo de decisão, foram categorizados como episódios adequados ou como episódios desadequados.<br><br><br><strong>Resultados:</strong>&nbsp;Foram analisados 192.535 episódios de urgência referentes ao período entre 1 de janeiro de 2015 e 31 de dezembro de 2015. Em termos proporcionais, a faixa etária dos 0 aos 18 anos foi a que recorreu mais aos serviços de urgência, com cerca 1.041 episódios de urgência por mil habitantes, enquanto os adultos dos 19 aos 64 foi a faixa etária que recorreu menos aos serviços de urgência, com cerca de 400 episódios de urgência por mil habitantes. Acima de 65 anos encontrou-se um rácio de 697 episódios de urgência por mil habitantes.<br><br><strong>Discussão:</strong>&nbsp;O rácio agregado dos serviços de urgência do CHOeste foi de 586 admissões na urgência por mil habitantes, valor inferior ao nacional, que foi de 705 admissões na urgência por mil habitantes. Deste total de admissões cerca de 55% são de prioridade e gravidade baixa, o que se definiu por desadequados, portanto, potencialmente evitáveis. Os comportamentos que os cidadãos da área de influência do CHOeste optaram são, na sua maioria, o imediato recurso às urgências hospitalares, sem passar primeiro pelo centro de saúde ou ligar para a linha de Saúde 24 (agora SNS24). A esmagadora maioria, cerca de 90% dos episódios de urgência, no CHOeste não foi referenciado.<br><br><br><strong>Conclusão:</strong>&nbsp;O número de episódios de urgência por mil habitantes no CHOeste (586) é inferior ao valor nacional (705) situando-se, assim, em posição intermédia entre Portugal e a média da OCDE (308). A realidade, quanto ao número de episódios de urgência, é muito heterogénea entre as unidades hospitalares que compõem o CHOeste: a Unidade de Peniche – serviço de urgência básica - é a que apresenta maior rácio por habitante, com 969 episódios por mil habitantes, enquanto a Unidade de Torres Vedras (dois serviços de urgência – médico-cirúrgico e pediátrico) apresenta um rácio de 415 episódios por mil habitantes. Por seu lado, a Unidade de Caldas da Rainha (três serviços de urgência - médico-cirúrgico, obstétrico e pediátrico) apresenta um rácio médio de 799 episódios por mil habitantes.<br><br>Este estudo ocorreu antes da crise pandémica - Covid-19 - e corrobora a perceção percebida sobre a desadequação da utilização dos serviços de urgência.</p> Ana Harfouche, Idalécio Lourenço , Estevão Soares dos Santos Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2871 Sun, 07 Feb 2021 00:00:00 +0000 Towards an Asian-Pacific or Atlantic Century? http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2872 <p>Este artigo pretende estudar se o século XXI será do Atlântico ou da Asia-Pacifico. A literatura tem vindo a estudar a transformação ocorrida na economia mundial, motivada pelo impressionante crescimento económico dos países asiáticos nos últimos anos. Uma vez que a investigação se tem focado na perspetiva do Ocidente vs. Ásia, o nosso principal contributo é apresentar uma perspetiva diferente, onde comparamos o Atlântico com a Ásia-Pacífico, com vista a descobrir os principais atributos de cada região.<br><br>Assim sendo, após uma breve revisão da literatura, recorremos a uma análise quantitativa para descrever a evolução no período de 1990-2018, utilizando&nbsp;<em>proxies</em>&nbsp;para as duas regiões consideradas, baseando-nos sobretudo em indicadores económicos, embora recorrendo igualmente a indicadores políticos.<br><br>A partir de uma análise das forças e fraquezas de cada região, conclui-se que o Atlântico, ainda que incluindo as economias emergentes do Sul, está a perder a sua centralidade económica. No entanto, um século da Asia-Pacífico é ainda incerto, ainda que mais provável que do Atlântico. Apesar de ser a principal região económica, de constituir o maior recetor de IDE e investidor no exterior, tal como um parceiro crescentemente relevante no comércio mundial de mercadorias, a Ásia-Pacífico enfrenta alguns desafios em termos de&nbsp;<em>soft power</em>, da influência na liderança global e do nível de desenvolvimento humano.</p> Ana Luísa Pinto, Miguel Fonseca, Rui Henrique Alves Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2872 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Population growth challenges in sub-Saharan Africa: are they just demographic? http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2873 <p>A força demográfica dominante na região da África sub-Saariana nas próximas décadas será de continuação de crescimento populacional pois o declínio da fecundidade nesta região tem sido e provavelmente continuará a ser muito lento. O ritmo de crescimento da população adulta será superior ao dos grupos mais jovens. Este crescimento contínuo coloca desafios ao desenvolvimento socio-económico dos países e o estudo que se segue elabora sobre os vários aspectos de desenvolvimento e sublinha a importância de uma acção imediata antes que o dividendo demográfico se torne uma oportunidade perdida. Pretende dar uma visão geral das questões relacionadas com dinâmicas populacionais e desenvolvimento e chama à atenção das relações mais importantes e por vezes complexas. Esta análise sugere que o Malthusianismo talvez não seja apenas uma visão do futuro, mas alguns países talvez já estejam a experimentar alguns dos seus aspectos. Os desafios são grandes é necessária uma acção urgente.</p> Ana Pires de Carvalho Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2873 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Exports and FDI: policy instruments and economic diplomacy http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2874 <p>Procura-se explicar as diferentes tipologias da internacionalização, desde a “internacionalização suave” à “forte”, bem como os diferentes instrumentos que poderão vir a ser utilizados tendo em vista a internacionalização da Economia Portuguesa.<br><br>Procurar-se-á, ainda, explicar a relevância da SOFID- Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento e apresentar algumas propostas alternativas tendo em vista a implementação de um modelo de desenvolvimento da Economia Portuguesa.</p> António Rebelo de Sousa Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2874 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 O pensamento de Landes perante a obra de Weber: breve reflexão http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2875 <p>Procura-se relembrar as teses de Weber sobre o papel do protestantismo e, em particular, do calvinismo na origem do capitalismo, salientando-se que Landes defende que “nem a nível empírico, onde os registos mostram que os mercadores e os manufatureiros protestantes desempenharam um papel de líderes no comércio, na finança e indústria, se pode anular a importância” do pensamento weberiano. Conclui-se afirmando que “o processo educacional pode ser responsável pelo sucesso dos indivíduos, devido à necessidade de realização pessoal que se traduz no desejo de se ser bem-sucedido”, o que explicaria o que se designa de “incremento económico dos sujeitos”, o que, por sua vez, permitiria o desenvolvimento do “espírito do capitalismo”.</p> Carlos Barracho Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2875 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Tax system in times of crisis: the case of the Covid-19 pandemic http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2876 <div> <p>Summary:</p> <ol> <li class="show">Fiscal system, tax benefits, taxpayer’s ability to pay and indirect goals of taxation.</li> <li class="show">Tax benefits as a derogation to the principle of tax equality.<br>2.1. Tax benefits and the derogation to the principle of tax equality.<br>2.2. The essential core of a tax, tax benefits and the derogation to the ability to pay principle.<br>2.3. Indirect goals for taxation and the ability to pay principle.</li> <li class="show">Tax benefits as tax policy instruments to struggle global crisis: the case of COVID-19 pandemic.</li> </ol> </div> Guilherme Waldemar d’Oliveira Martins, Joana Graça Moura Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2876 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000 Covid-19: impacto no sistema de segurança social português http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2877 <p>Covid 19 – Impacto no Sistema de Segurança Social Português.<br><br>A crise de saúde pública originada pelo Covid 19 está a ter consequências severas do ponto de vista económico, sendo expectável que a atividade não possa voltar ao normal nestas circunstancias o que significa, de acordo com a OCDE, que os efeitos desta pandemia terão um efeito negativo permanente sobre a economia.<br><br>Na realidade, o FMI considera que se não forem imediatamente adotadas medidas estruturais, a atual crise poderá levar a histerese no mercado de trabalho, bem com a uma redução no investimento com consequências de longo prazo ao nível do crescimento económico.<br><br>Num contexto de elevada incerteza, os sistemas de proteção social em todo o mundo têm sido sujeitos a fortes pressões, quer do lado da receita, quer do lado da despesa.<br><br>Pretende-se com este artigo avaliar o impacto de curto prazo que a crise Covid-19 teve no sistema de segurança social português, bem como identificar os efeitos de longo prazo que esta crise poderá ter na sustentabilidade do mesmo.</p> Miguel Coelho Direitos de Autor (c) 2020 http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/2877 Tue, 24 Aug 2021 00:00:00 +0000