Lusíada. Economia e Empresa http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee <p>A revista "Lusíada. Economia &amp; Empresa” é um periódico multidisciplinar, de informação independente e pluralista, de apoio ao ensino e divulgação das Ciências Sociais na área da economia e da gestão das organizações públicas e privadas. Propõe-se divulgar trabalhos científicos e académicos resultantes de dissertações de mestrado e de teses de doutoramento, destinados a investigadores, docentes, estudantes, empresários e profissionais com interesse científico nas temáticas da Economia e da Gestão Empresarial. Pretende, também, ser um espaço aberto à participação de colaboradores, especialmente convidados pelos seus méritos profissionais, com comprovadas experiências teóricas e práticas nos domínios da Economia e da Gestão.</p> Universidade Lusíada Editora pt-PT Lusíada. Economia e Empresa 1645-6750 Nota de abertura http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3082 <p>Esta nova edição da revista “Lusíada. Economia &amp; Empresa” apresenta-se, também ela, muito interessante porque integra um conjunto qualificado e diversificado de contribuições.</p> António Rebelo de Sousa Direitos de Autor (c) 2022 Lusíada. Economia e Empresa 2022-10-24 2022-10-24 32 5 8 10.34628.8t38-t704 A influência da comunicação nos social media no sucesso das Initial Coin Offerings (ICOs) do setor bancário http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3083 <p>As Initial Coin Offerings (ICOs) são uma forma alternativa de financiamento, destinada a projetos com modelo de negócio baseado na tecnologia blockchain. O presente estudo propõe-se analisar a associação entre a utilização de comunicação nos canais digitais pelos promotores do projeto e os ratings dos projetos publicados online por entidades terceiras e o sucesso das ICOs na fase de emissão. Foi efetuada a análise quantitativa de dados secundários (micro dados de 556 ICOs do setor bancário) e recorreu-se ao estudo de caso qualitativo das principais ICOs do setor bancário, com recurso à observação e análise de conteúdo. Os resultados do presente estudo revelaram que a presença nos social media está associada ao sucesso das ICOs do setor bancário, nomeadamente a utilização das plataformas Twitter, Slack, Facebook, Medium, Bitcointalk, Github, Reddit e Youtube. Adicionalmente, as classificações de ratings divulgadas nas plataformas online estão associadas ao sucesso na obtenção de financiamento das ICOs. Do ponto de vista teórico os resultados indicam que a comunicação nos canais digitais (e.g., código fonte, whitepaper) permite reduzir a assimetria de informação entre promotores e investidores numa ICO.</p> Ana de Oliveira Brochado Joana Sofia Silva Costa Direitos de Autor (c) 2022 2022-09-05 2022-09-05 32 11 31 10.34628.y9sw-q542 Auditoria e os preços de transferência http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3084 <p>Preços de Transferência, um tema em constante desenvolvimento, quer em termos de âmbito como em complexidade. Paralelamente, o processo de auditoria, tenta inevitavelmente acompanhar, recorrendo à normativa base de auditoria e às diretivas internacionais e requerimentos locais.</p> <p>Este trabalho explora as diretivas Internacionais, leis e obrigações declarativas aplicáveis a Portugal, demonstrando o caminho a percorrer para a realização de uma auditoria aos Preços de Transferência.</p> <p>Apresenta, também, uma proposta de desenvolvimentos futuros, tanto na utilização da tecnologia Blockchain como na utilização de uma nova metodologia de Preços de Transferência (Formulary Apportionment) para as entidades pertencentes ao âmbito da OCDE.</p> <p>A utilização desta nova metodologia permitiria descomplicar quer o processo de elaboração do Dossier de Preços de Transferência, como o próprio processo de auditoria, pois assenta apenas na distribuição da matéria coletável consolidada, pelas subsidiárias, utilizando para isso, uma chave de alocação (vendas, ativos e/ou massa salarial). A grande vantagem da utilização desta metodologia, é o facto de não depender de comparáveis de mercado.</p> <p>Apesar da OCDE não reconhecer este método, já usado nos EUA, será apenas uma questão de tempo até se reconhecer os benefícios e proceder à sua aceitação. Com este trabalho pretendemos evidenciar esses benefícios, quer para os Preços de Transferência, quer para o processo de auditoria.</p> <p>Neste documento propõe-se a aplicação da Metodologia Formulary Apportionment com a utilização apenas das vendas como chave de alocação. Aplicando esta metodologia com este critério robusto a uma amostra (128) de subsidiárias portuguesas, para os anos de 2015 a 2018, o resultado foi a constatação de 88,87 milhões de euros em impostos devidos à Administração Fiscal Portuguesa.</p> Fátima Geada Carlos Pais Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 33 52 10.34628/7vf8-a051 A estrutura do capital: abordagem não financeira associada a variáveis qualitativas http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3085 <p>Embora as linhas de abordagem relativas à estrutura do capital no que respeita aos aspetos financeiros sejam aquelas que têm merecido uma maior atenção por parte da literatura existente, no entanto, não esgotam o esforço que se tem desenvolvido no sentido de se compreender as diferentes alternativas de financiamento das empresas.</p> <p>Outros esforços de modelização têm ocorrido não só como forma de extensão das linhas de abordagem mencionadas como também em consequência de novos fenómenos que, atualmente, vão assumindo particularmente importância nas diferentes economias.</p> <p>A necessidade de estudar aspetos não financeiros e com influência nas decisões de estrutura do capital e política de dividendos contribuíu para que alguns autores se debruçassem sobre as ciências comportamentais e desenvolvessem teorias suportadas por variáveis qualitativas.</p> <p>Por isso, merece referência ainda que de forma sucinta os modelos que se têm debruçado na Teoria do Ciclo de Vida, na Teoria baseada nas razões de Controlo e na Teoria baseada em argumentos de natureza comercial.</p> Fernando José Janes Padilha Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 53 78 10.34628/aget-ka89 O trespasse no imposto do selo no ordenamento angolano: o caso especial da isenção geral constante da Lei sobre a Tributação das Atividades Petrolíferas http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3086 <p>O artigo 11.º da LTPA introduz uma isenção especial no artigo 11.º, número 1 de quaisquer impostos ou encargos de natureza tributária relacionados com a concretização ou transmissão dos interesses realizadas pelas entidades a quem a mesma lei de aplica, a saber, entidades, nacionais ou estrangeiras, que exerçam operações petrolíferas em território nacional (artigo 3.º, da LPTA) - o facto de estarmos perante uma isenção conferida por lei especial, fica afastado o pagamento de IVA ou de Imposto do Selo de qualquer das situações identificadas, apesar de a obrigação tributária ter surgido.</p> Guilherme Waldemar d’Oliveira Martins Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 79 90 10.34628/xmg5-4h16 Cuidados a pessoas com demência: a cultura organizacional em instituições em Portugal http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3087 <p>O aumento da longevidade nas sociedades desenvolvidas reflete- -se numa maior prevalência de doenças crónicas, como a demência. Em Portugal, os efeitos deste aumento emergem sobretudo ao nível das instituições públicas e privadas, com implicações nos modelos de gestão da prestação de cuidados. A abordagem centrada na pessoa com demência (ACPcD) revela bons resultados em termos de custo-benefício nas organizações e do bem-estar das pessoas que vivem com demência (PvD). O objetivo desta nota é caracterizar a cultura organizacional de estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) em Portugal, na perspetiva dos colaboradores, segundo a ACPcD. Aplicou-se um inquérito por questionário aos colaboradores de quatro instituições. Da sua análise resulta um conjunto de boas práticas, mas também orientações dirigidas às organizações, em termos de gestão de serviços, recursos e pessoas, com base em elementos que se afastaram da ACPcD: (1) especialização dos cuidadores formais, (2) consciencialização e formação em demência dirigida aos colaboradores, (3) adequação do rácio de recursos humanos, (4) alargamento/ eliminação dos horários de visitas, (5) estratégias e instrumentos de avaliação da qualidade dos serviços, (6) investimento na gestão de vagas, equipas e condições das PvD, (7) respeito e inclusão da PvD nos processos de decisão e institucionalização.</p> Maria João Bárrios Cláudio Carvalho Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 91 114 10.34628/9saw-0p05 Mercados financeiros em tempos de guerra: os primeiros 90 dias de uma guerra (in)esperada http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3088 <p>A (in)esperada guerra na Europa, com epicentro na Ucrânia, está a ter consequências geopolíticas e económicas complexas com duração e severidade ainda desconhecidas.</p> <p>Com efeito, para além do drama humano que o povo ucraniano diariamente enfrenta, existem efeitos de segunda ordem que colocam em causa os equilíbrios económicos mundiais com impacto no bem-estar da população mundial, conforme aliás tão bem ilustra James Gleick (1987) quando refere os efeitos de um “o simples bater de asa …”.</p> <p>Neste contexto, pretende-se analisar o comportamento dos mercados financeiros e de commodities nos primeiros 90 dias de guerra, comparando esse comportamento com o observado em crises anteriores de natureza semelhante.</p> <p>Os resultados obtidos permitem concluir que a invasão da Ucrânia produziu um impacto nos mercados análogo às guerras cuja probabilidade já se adivinhava.</p> <p>A evolução nos primeiros 90 dias é relativamente transversal nos mercados sendo, no entanto, notório que o impacto é menos acentuado nos Estados Unidos do que na Europa. Já na dívida publica, pese embora o estádio diferente, à partida, do mercado de taxas de juro na Europa e nos Estados Unidos, registaram-se subidas da ordem dos 100 pontos base em ambos.</p> Miguel Coelho José António Gonçalves Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 115 132 10.34628/2wxj-dw28 Implicações geo-económicas da Guerra da Ucrânia na posição da China http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3089 <p>A China, logo desde o início da Guerra, recusou-se a condenar sem reservas a invasão da Ucrânia. A principal implicação geoeconómica é pois a aproximação efectiva da Rússia à China, em detrimento da União Europeia e de países como a Alemanha e a França, e consequentemente a estruturação progressiva de um eixo ou aliança estratégica baseada em entendimentos e parcerias prévias como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e o chamado Grupo de Shangai (China, Cazaquistão, Índia, Paquistão, Quirguistão, Rússia, Tajiquistão, Uzbequistão e muito recentemente o Irão).</p> <p>Iremos portanto assistir a curto prazo a uma recomposição das áreas geoeconómicas correspondentes aos dois blocos político-militares (Nato e Grupo de Shangai) que agora estão em processo de consolidação como consequência da Guerra da Ucrânia e a que correspondem duas mundovisões antagónicas e respectivos valores – a da Democracia e a da Ditadura Pós-Moderna – e portanto dois modelos político-económicos a serem apresentados como opção de Desenvolvimento aos restantes países do sistema internacional, principalmente aos africanos e asiáticos.</p> <p>A competitividade poderá vir a ser mais agressiva, raiando a conflitualidade não-armada com o aumento das acções de espionagem económica e tecnológica e de ciberataques, a que corresponderá a procura intensa de soluções de segurança da informação. Face à incerteza crescente, é vital o desenvolvimento de uma análise estratégica dinâmica para se acompanhar a evolução desta conjuntura tão volátil que requer correcções constantes às estratégias e correlativos planeamentos.</p> Pedro Borges Graça Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 133 153 10.34628/8efe-t111 Não pague demasiado na compra da sua nova casa: uma ferramenta de análise http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3090 <p>Imagine que encontrou a casa dos seus sonhos, mas, quando lhe dizem o preço, fica na dúvida se deve ou não avançar. Se comprar demasiado caro e o mercado depois corrigir em queda, pode sofrer uma significativa menos- -valia que será amplificada pela alavancagem se recorreu ao crédito para a habitação. Ótimo, então, seria ter à sua disposição uma ferramenta de análise, que fosse fácil e intuitiva de usar e que a ajudasse a não pagar demasiado pela sua nova casa. Esse é o objetivo deste breve apontamento, usando para tal um pequeno número de hipóteses que efetivamente dão o benefício da dúvida ao imóvel na produção de valor económico, enquanto um ativo plurianual que é. É nesse sentido que os valores justos que se obtêm são tidos como conservadores.</p> Pedro Gomes Rodrigues Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 155 165 10.34628/q38g-r471 The Challenges of Asia in the Near Future and the Cooperation with Portugal http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/lee/article/view/3091 <p>There are various dimensions to talk about Japan’s economy, especially when it comes to do with its relationship with Asia. Today, I would like to start with the deflation that Japan has been experiencing over the past 30 years. This trend is the unique case among OECD member countries. In particular, from 1995 to 2021, negative inflation (which means deflation) was observed in 15 years. During the said period, even when positive inflation rates had occurred, its rate was near zero, and only three years exceeded 1%. In fact, this deflation reflects one aspect of the impacts of the expansion of economic globalization. The period of deflation in Japan’s economy roughly coincides with the globalization trend that began in earnest after the end of the Cold War. Globalization has brought an unprecedentedly rapid and extensive movement of goods, money, and people. As a free-trade-system believer, Japan has promoted free trade in both multi and bi-lateral contexts.</p> Ushio Shigeru Direitos de Autor (c) 2022 2022-10-24 2022-10-24 32 167 175 10.34628/n54v-5m92