A indústria da construção e obras públicas: a performance de Portugal face à União Europeia

Luís Palma Ferro

Resumo


  • A indústria da construção sofreu mudanças radicais no decurso da última década do seculo XX: a competição tornou-se extremamente agressiva na Europa e fora dela em resultado da crescente globalização dos mercados, aumentando consideravelmente o risco do negócio das empresas do sector.
  • O factor crítico de sucesso no novo cenário é representado pela maior ou menor capacidade de gerir o acréscimo de risco do negócio, identificando as suas determinantes e individualizando estratégias de optimização das sociedades de construção.
  • As empresas do sector utilizam, quase exclusivamente, indicadores de cariz iminentemente financeiro, conduzindo a uma análise redutora e a conclusões que não expressam a real idade do negócio da construção.
  • Revela-se a importância e a necessidade de se definir um novo modelo de avaliação da performance empresarial, onde se integre outras medidas de performance complementares.
  • Um estudo, com incidência num painel de empresas de construção nos países da "Europa do Sui" (Espanha, Itália e Portugal) mostra uma tendência para um crescente impacto dos indicadores de performance entre si, com comportamentos cada vez mais explicados par variações integradas das variáveis quer de natureza económica quer de natureza financeira.
  • A introdução de variáveis económicas, no modelo de avaliação, mostra que as empresas portuguesas do sector apresentam valores de produtividade económica inferiores aos registados pelas congéneres de Espanha e de Itália, e, consequentemente, a perda de competitividade económica em relação as mesmas.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica | Universidades Lusíada, 2004-2019
Universidade Lusíada Editora
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 561 | Fax +351 638 307 | E-mail: revistas@lis.ulusiada.pt