2020 – O ano em que o mundo parou: os primeiros 100 dias da crise CoVid-19

Autores

  • Miguel Coelho

DOI:

https://doi.org/10.34628/scg8-zx29

Resumo

2020 – O Ano em Que o Mundo Parou. O inicio de 2020 ficou marcado por um acontecimento à escala global cuja dimensão e consequências não têm paralelo nas últimas décadas. Com efeito, a crise pandémica (Covid-19), com origem na China, obrigou à tomada de medidas extremas por parte de um número significativo de países, as quais passaram, nomeadamente, pela imposição de limitações à liberdade de circulação dos indivíduos e à suspensão da atividade económica numa escala sem precedentes.

Pretende-se com este artigo avaliar os primeiros cem dias da crise Covid-19, em particular no que respeita ás consequências económico-financeiras.

Em primeiro lugar, fica claro que esta crise é distinta de todas as crises anteriores, na medida em que se caracterizou por um choque simultâneo da oferta e procura, resultado da paragem abrupta da atividade. Em segundo lugar, constata-se que os mercados financeiros foram os primeiros a reagir, registando-se quedas acentuadas nos índices acionistas e uma fuga dos investidores para a dívida pública de “qualidade” (em detrimento da dívida dos países mais periféricos). De igual forma, foi possível observar que, do lado da economia real,  a redução da atividade foi visível na quase totalidade dos setores, mas com particular incidência nos setores dos transportes aéreos, restauração, alojamento e comercio a retalho. Por fim, e apesar das medidas de saúde pública terem tido natureza semelhante nos diversos países e o impacto das mesmas no crescimento económico de curto prazo ser muito semelhante, torna-se claro que a capacidade de cada uma das economias recuperar desta crise parece ser claramente distinta, podendo conduzir a, médio prazo, ao agravamento das desigualdades.

Palavras-chave:

Covid-19, Crise económica, Crise pandémica, JEL: E44, F01 e G01

Referências

ALVES, A.A.; MOREIRA, J. M. (2004) - O que é a Escolha Pública.

ARGOTE, L. – Knowledja Transfer and Organizational Learning.

BERTALANFLY, L. von (1986) - General System Theory – Ed. George Brazillier

BILHIM, J. (coord.) (2007) - Gestão e Boas Práticas de Investimento em Capital Intelectual – Ed. ISCSP.

CABRITA, R. (2009) - Capital Intelectual e Desempenho Organizacional – Ed. LIDEL.

DIAS, M.C. (1997) - Avaliação das Políticas de Emprego e Formação – Ed. IEFP.

KIRSCHEN, E.S. (1965) - Política Económica contemporânea – Ed. Occide4.

LOPES, H. (coord.) (1998) - As Modalidades de Empresa que Aprende e Empresa Qualificante – Ed. OEFP. Manual (1994) - Gestão integrada do Ciclo do Projeto – Comissão das Comunidades Europeias.

OCDE - Recomendações de Conselho (1964) sobre Política de Mão-de-Obra, Instrumento de crescimento Económico e Recomendação do Conselho (1976) Política Global de Emprego e da Mão-de-Obra.

OIT - Convenção n.º 122 de 1948.

PRATA, F. (2014) - Avaliação do Impacte da Formação – o caso da clínica de S.

Cristóvão – Dissertação de Mestrado da Univ. Lusíada orientada por Mário Caldeira Dias.

PASSMORE, J.; VELEZS, M.J. - Training Evaluation.

POPPER, K. (1987) - O Realismo e o Objectivo da Ciência – Ed. D. Quixote.

SIGLITZ, J. (2017) - Por uma Sociedade da Aprendizagem – Ed. Bertrand.

SOUSA, A.R. (2005) - Avaliação Económica e Financeira de Projectos – Ed. ISCSP.

TINBERGEN, J. (1952) - On the Theory of Macroeconomic Policy – Ed. North Holland.

TRINDADE, P. (2007) - O Guia do Animador – Ed. Presença. Vários autores (2019) - Formação Profissional em Portugal – Ed. IEFP.

VINCENS, J. (1981) - Insertion Professionelle et Marché de Travail – Colloque Emploi Formation - Université de Toulouse.

Publicado

24-08-2021

Como Citar

Coelho, M. (2021). 2020 – O ano em que o mundo parou: os primeiros 100 dias da crise CoVid-19. Lusíada. Economia E Empresa, (28), 73–105. https://doi.org/10.34628/scg8-zx29

Edição

Secção

Artigos