Modelos operativos da cultura organizacional

Ruben Raposo

Resumo


1. Modelos operativos da cultura organizacional.
    1.1. Introdução.
          1.1.1. A sistematização de Reichers e Schneider.

1.2. Conceitos de cultura.

1.3. A cultura vista por Schein.
      1.3.1. Padrão de pressupostos básicos.
      1.3.2. Um dado grupo.
      1.3.3. Inventado, Descoberto ou desenvolvido.
      1.3.4. Poblemas de adaptação externa e integração interna.
      1.3.5. Pressupostos que funcionam suficientemente bem para serem considerados válidos.
      1.3.6. Ensino aos novos membros.

1.4. A cultura organizacional.

1.5. Ter ou ser cultura.

1.6. Cultura e desempenho organizacional.
      1.6.1. Culturas fortes e culturas fracas.
      1.6.2. A abordagem de Kotter e Heskett.

1.7. Cultura e Fusão organizacional.
      1.7.1 A tipologia cultural de Nahavandi e Malekzdeh.

1.8. A permeabilidade da cultura à mudança.

1.9. Cultura e clima.
      1.9.1. O clima.
      1.9.2. Tipos de clima.

1.10. Cultura e gestão de recursos humanos.
        1.10.1. A cultura influencia as práticas de gestão de recursos humanos.
        1.10.2. A Cultura influencia e é influenciada pelas práticas de gestão de recursos humanos.
        1.10.3. As práticas de gestão de recursos humanos influenciam a cultura.

1.11. Culturas e subculturas.

1.12. Cultura e identidade.

1.13. Cultura e socialização.
        1.13.1. Estratégias e socialização.
        1.13.2. As comunidades ocupacionais.

1.14. Os níveis de análise da cultura.

1.15. O nível de análise transcultural.
        1.15.1. A tese de Kluckhohn e de Strodbeck.
        1.15.2. A tese de D’iribarne.
        1.15.3. A tese de Hall e Hall.
        1.15.4. A tese de Trompenaars.
        1.15.5. A tese de Geert Hofstede.
                   1.15.5.1. Consequências das diferenças nas práticas de gestão.
                   1.15.5.2. Consequências da distância ao poder.
                   1.15.5.3. Consequências do controlo da incerteza.
                   1.15.5.4. Consequências do individualismo.
                   1.15.5.5. Consequências de masculinidade.
        1.15.6. Um primeiro balanço.
        1.15.7. A tese de Triandis.

1.16. O nível de análise organizacional.
        1.16.1. A tese de Deal e Kennedy.
        1.16.2. A tese de Harrison e Handy.
        1.16.3. A tese de Hampden-Turner.


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica | Universidades Lusíada, 2004-2020
Universidade Lusíada Editora
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel. +351 213 611 561 | Fax +351 638 307 | E-mail: revistas@lis.ulusiada.pt