O Crime organizado enquanto problema conceptual e material

Autores

  • José Manuel Pires Leal

Resumo

Explora-se o processo de construção do conceito de crime organizado, procurando contê-lo em determinados limites, através de uma leitura efetuada a partir das ciências sociais e dos produtos da intelligence, e da produção jurídica. A partir da sua conceptualização busca-se a produção de conhecimento sobre o modo como se manifesta e porquê. Finaliza-se o artigo com a abordagem sobre como intervir, salientando aspetos relativos ao ciclo da investigação criminal, e sublinhando a centralidade do vetor da cooperação internacional na abordagem ao fenómeno.

Palavras-chave:

Crime organizado, Grupo criminoso organizado, Tipologias, Causas do crime organizado, Investigação criminal, Cooperação internacional

Referências

ALBANESE, Jay S. (2002). The prediction and control of organized crime: a risk assessment instrument for targeting law enforcement efforts, National Criminal Justice Reference Service (NCJRS), Research report submitted to the U.S. Department of Justice.

ANDERSON, Annelise (1995). The Red Mafia: A Legacy of Communism in Economic Transition in Eastern Europe and Russia. Ed. Edward P. Lazear. Stanford: Hoover Institution Press, pp. 340-367.

ANTUNES, Manuel António Ferreira (1984). Técnicas de investigação criminal, in Boletim do Ministério da Justiça, Lisboa, N.º 338 (julho 1984), p. 7-44.

BRAGUÊS, José Luís (2009). O Processo de Branqueamento de Capitais, working papers n.º 2, OBEGEF – Observatório de Economia e Gestão de Fraude, Edições Húmus.

BRAZ, José (2009). Investigação Criminal. A organização, o método e a prova. Os desafios da nova criminalidade, Almedina, Coimbra.

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA (2005). Grupo Multidisciplinar sobre a Criminalidade Organizada, 8229/05 CRIMORG, «Interpretação dos 11 critérios da Criminalidade Organizada», Bruxelas, 20 de abril.

EUROPOL (2013). EU Serious and Organised Crime Threat Assessment - 2013, The Haigue, Netherlands, 2013.

LAMPE, Klaus von & Per Ole Johansen (2004). Organized Crime and Trust: On the conceptualization and empirical relevance of trust in the context of criminal networks, Global Crime, 6:2, 159-184.

LAMPE, Klaus von (2008). Organized Crime in Europe: Conceptions and Realities, in Policing: A Journal of Policy and Practice, 2(1), pp 7-17.

LAMPE, Klaus von (2009). Organized Crime in Europe, in Philip Reiche, Handbook of transnational crime & justice, London: SAGE Publications, chapter 20.

MINGARDI, Guaracy (1996). O Estado e o crime organizado. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.

MORRISSON, Shona (2003). Approaching organised crime: where are we now and where are we going? in Crime and Justice International, Chicago, Vol. 19, n. 72 (April 2003), p. 4-10.

SARMENTO, Carlos (2012). Operações de conversão ou transferência de vantagens e o financiamento do terrorismo, in Revista de Investigação Criminal, n.º 3, Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da Polícia Judiciária, Lisboa, pp. 168-191.

UNODC (2000). Convenção Contra o Crime Organizado Transnacional (UNTOC).

UNODC (2002). Results of a pilot survey of forty selected organized criminal groups in sixteen countries.

UNODC (2003). Convenção contra a Corrupção.

Publicado

2021-08-23

Como Citar

Leal, J. M. P. (2021). O Crime organizado enquanto problema conceptual e material. Lusíada. Direito, (23/24), 155–186. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/ldl/article/view/2850

Edição

Secção

Doutrina