Os modos de solução pacífica de conflitos entre a administração pública e os administrados. A susceptibilidade de mediação pelo Provedor de Justiça

Autores

  • José Lucas Cardoso

Resumo

O presente texto compreende a análise de dois assuntos específicos no âmbito da solução pacífica de conflitos entre as autoridades administrativas e os administrados. A primeira questão consiste em indagar se o Estado de Direito, com a concepção que lhe é reconhecida nos primórdios do século XXI, comporta a existência de meios de solução pacífica de conflitos diversos da jurisdição estadual, enquanto num segundo momento procuramos saber qual a intervenção que o Provedor de Justiça poderá constitucional, legal e legitimamente assumir neste contexto.

Assim, importa à partida averiguar qual o tratamento que a Lei Fundamental confere aos mecanismos de composição de litígios, nomeadamente quais as estruturas organizatórias competentes para desempenhar esta tarefa num sistema político com separação de poderes e ainda em que consiste, materialmente, a actividade de solução pacífica de conflitos que a doutrina juspublicista integrou na Teoria do Estado sob a denominação de função jurisdicional.

O cerne da nossa análise consiste na verificação da admissibilidade de composição de litígios entre a Administração Pública e os administrados por meios não jurisdicionais, em especial no caso português, considerando as insuficiências do contencioso administrativo tradicional perante os novos modos de actuação das autoridades administrativas nos Estados contemporâneos.

Averiguar se o Provedor de Justiça poderá constituir uma alternativa válida e eficaz aos centros institucionalizados de solução pacífica de conflitos configura o escopo último da reflexão que agora submetemos à publicidade crítica.

Palavras-chave:

Organização judiciária, Função jurisdicional, Reserva de juiz, Contencioso administrativo, Meios alternativos de solução pacífica de conflitos, Provedor de Justiça

Referências

ALBUQUERQUE, Ruy de (e ALBUQUERQUE, Martim de), História do Direito Português, vol. I, tomo I, Lisboa, policopiado, 1983.

ALBUQUERQUE, Martin de (ALBUQUERQUE, Ruy de), História do Direito Português, vol. I, tomo I, Lisboa, policopiado, 1983.

AMARAL, Diogo Freitas do, Estado, in Polis – Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado, vol. II, Lisboa, Verbo Editora, 1984, col. 1126 a 1177;

Relatório sobre o programa, os conteúdos e os métodos do ensino de uma disciplina de Direito Administrativo, in Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol. XXVI, 1985;

Direito Administrativo, vol. IV, Lisboa, policopiado, 1998;

Curso de Direito Administrativo, vol. II, Coimbra, Livraria Almedina, 2014.

AMORIM, João Pacheco de (e OLIVEIRA, Mário Esteves de, e GONÇALVES, Pedro Costa), Código do Procedimento Administrativo anotado, vol. II, Coimbra, 1995.

ANDRADE, José Carlos Vieira de, Os direitos fundamentais na Constituição Portuguesa de 1976, Coimbra, Livraria Almedina, 2010;

Lições de Direito Administrativo, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2011.

ANTUNES, Luís Filipe Colaço, O Procedimento Administrativo de Avaliação de Impacto Ambiental – Para uma tutela preventiva do ambiente, Coimbra, Livraria Almedina, 1998.

ASCENSÃO, José de Oliveira, A reserva constitucional da jurisdição, in O Direito, ano 123.º, 1991, p. 465 a 485.

BEZERRA, J. Miguel (e VARELA, J. Antunes, e NORA Sampaio e), Manual de Processo Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 1985.

CAETANO, Marcello, Manual de Direito Administrativo, vol. II, Coimbra, Livraria Almedina, 1986;

Princípios Fundamentais do Direito Administrativo, Coimbra, Livraria Almedina, 1996.

CANOTILHO, J. J. Gomes, Direito Constitucional e Teoria da Constituição, Coimbra, Livraria Almedina, 2002;

CANOTILHO, J. J. Gomes (e MOREIRA, Vital), Constituição da República Portuguesa anotada, vol. II, Coimbra, Coimbra Editora, 2006.

CARDOSO, José Lucas, Do problema dos conceitos indeterminados no Direito Administrativo – Para um análise dos limites funcionais da jurisdição administrativa, in Polis – Revista de Estudos Jurídico-Políticos, n.º 1, 1994, p. 11 a 54;

Autoridades administrativas independentes e Constituição – Contributo para o estudo da génese, caracterização e enquadramento constitucional da Administração independente, Coimbra, Coimbra Editora, 2002;

A posição institucional do Provedor de Justiça – O Ombudsman entre a Assembleia Parlamentar, a Administração Pública e o cidadão, Coimbra, Wolters Kluver / Coimbra Editora, 2012;

A dimensão cultural do Estado – Contributo para uma análise do Estado cultural e dos direitos e deveres culturais na Constituição da República Portuguesa, Coimbra, 2013, 2. vol.s inédito.

CAUPERS, João, A arbitragem nos litígios entre a Administração pública e os particulares, in Cadernos de Justiça Administrativa, n.º 18.

CLARO, João Martins, A arbitragem no anteprojecto do Código de Processo nos Tribunais Administrativos, in Cadernos de Justiça Administrativos, n.º 22, 2000.

CORREIA, Fernando Alves (e MELO, António Barbosa de), Contrato Administrativo, Coimbra, policopiado, 1984.

CORREIA, José Manuel Sérvulo, Legalidade e autonomia contratual nos contratos administrativos, Coimbra, Livraria Almedina, 1987;

Contencioso Administrativo, Lisboa, policopiado, 1990.

CUNHA, Joaquim Silva, Direito Internacional público – Relações Internacionais, Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, 1990.

DROULERS, Diana C., A mediação na América Latina, in, SOUSA, José Vasconcelos, Mediação, Colecção O que é?, Lisboa, Quimera Editores, 2002, p. 91 a 103.

ESQUÍVEL, José Luís, Os contratos administrativos e a arbitragem, Coimbra, Livraria Almedina, 2004.

FERNANDES, António Monteiro, Direito do Trabalho, Coimbra, Livraria Almedina, 2014.

GARCÍA Gómez de Mercado, Francisco, Alternativas a la solución judicial de los conflictos con la Administración, in Revista española de Derecho Administrativo, n.º 119, 2003.

GONÇALVES, Pedro Costa (e OLIVEIRA, Mário Esteves de, e AMORIM, João Pacheco de), Código do Procedimento Administrativo anotado, vol. II, Coimbra, 1995.

HESPANHA, António, As vésperas do Leviathan – Instituições e poder político – Portugal – séc. XVII, Coimbra, Livraria Almedina, 1994.

LOCKE, John, Dois Tratados do Governo Civil, tradução portuguesa de MORGADO, Miguel, Lisboa, Edições 70, 2006.

LÚCIO, Álvaro Laborinho, O poder judicial na transição, in COELHO, Mário Baptista; Portugal – O Sistema Político e Constitucional 1974/ 87, Lisboa, s.d. (mas 1989).

MACHETE, Pedro, A audiência dos Interessados no Procedimento Administrativo, Lisboa, Universidade Católica Editora, 1995.

MACHETE, Rui Chancerelle de, A evolução do conceito de serviço público e a natureza das relações entre concessionário ou autorizado e o utente, in Estudos de Direito Público, Coimbra, Coimbra Editora, 2004.

MELO, António Barbosa de, Direito Administrativo II – A protecção jurisdicional dos cidadãos perante a administração pública, Coimbra, policopiado, 1987;

Curso de Ciência da Administração (Sumários e notas), Porto, policopiado, 1999;

MELO, António Barbosa de (e CORREIA, Fernando Alves), Contrato Administrativo, Coimbra, policopiado, 1984.

MENDES, João de Castro, Anotação ao artigo 206.º da Constituição da República Portuguesa, in MIRANDA, Jorge (coordenação), Estudos Estudos sobre a Constituição, vol. I, Lisboa 1977, Livraria Petrony, p. 395 e ss.

MIRANDA, Jorge, A Constituição de 1976 – Formação, estrutura e princípios fundamentais, Lisboa, Livraria Petrony, 1978;

Ciência Política, Lisboa, policopiado, 1983/84;

Manual de Direito Constitucional, vol. II, Coimbra, Coimbra Editora, 2007;

Manual de Direito Constitucional, vol. V, Coimbra, Coimbra Editora, 2010.

MONETTE, Pierre-Yves, De la médiation, comme mode de résolution de conflits, et de ses differentes applications, in Administration publique – Revue de Droit Public et des Sciences Administratives, n.º 99/1, Bruxelles, 2000, disponível na internet em www.federalombudsman.be/Franse%20web/Publications.htm;

Justice et médiation, in La Libre Belgique, edição de 24 de Janeiro de 2004, p. 1.

MONTEIRO, António Pinto (e PINTO, Carlos Alberto da Mota, e PINTO, Paulo Mota), Teoria Geral do Direito Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 2005.

MOREIRA, Vital (e CANOTILHO, J. J. Gomes), Constituição da República Portuguesa anotada, vol. II, Coimbra, Coimbra Editora, 2006.

MONTESQUIEU, Charles de, Do espírito das leis (tradução portuguesa) de MORGADO, Miguel), Lisboa, Edições 70, 2011.

NIGRO, Mário, Giustizia Amministrativa, Bologna, Il Mulino, 1983.

NORA, Sampaio (e VARELA, J. Antunes e BEZERRA, J. Miguel), Manual de Processo Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 1985.

OLIVEIRA, Mário Esteves de (e GONÇALVES, Pedro Costa e AMORIM, João Pacheco de), Código do Procedimento Administrativo anotado, vol. II, Coimbra, 1995.

PERESTRELLO, Marcos, A arbitragem institucionalizada: três passos para o seu desenvolvimento, in Resolução alternativa de litígios – Colectânea de textos publicados na Newsletter DGAE, Lisboa, 2006.

PIÇARRA, Nuno, A Separação de poderes como doutrina e princípio constitucional.

Contributo para o estudo das suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989.

PINTO, Carlos Alberto da Mota (e MONTEIRO, António Pinto e PINTO, Paulo Mota), Teoria Geral do Direito Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 2005.

PINTO, Paulo Mota (e PINTO, Carlos Alberto da Mota, e MONTEIRO, António Pinto), Teoria Geral do Direito Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 2005.

QUEIRÓ, Afonso, Lições de Direito Administrativo, vol. I, Coimbra, policopiado, 1976.

RANGEL, Paulo Castro, Reserva de jurisdição – Sentido dogmático e sentido jurisprudencial, Porto, Universidade Católica Editora, 1997;

Repensar o poder Judicial – Fundamentos e fragmentos, Porto, Universidade Católica Editora, 2001.

RODRIGUES, Henrique do Nascimento, O Provedor de Justiça, a mediação e os julgados de paz, in News Letter DGAE, n.º 5, Junho de 2005.

SCHNEEBALG, Avi, Uma breve história da mediação, in SOUSA, José Vasconcelos; Mediação, Colecção O que é?, Lisboa, Quimera Editores, 2002, p. 34 a 37.

SILVA, Vasco Pereira da, Para um contencioso administrativo dos particulares, Coimbra, Livraria Almedina, 1989.

SOARES, Rogério, Direito Público e Sociedade Técnica, Coimbra, Atlântida Editora, 1969.

SOUSA, José Vasconcelos, Para uma maior eficácia do mediador: conhecer a negociação! – A negociação assistida (mediação) e o modelo estratégico de Lucena, in Resolução alternativa de litígios – Colectânea de textos publicados na Newsletter DGAE,

Lisboa, 2006;

Mediação, Colecção O que é?, Lisboa, Quimera Editores, 2002.

SOUSA, Marcelo Rebelo de, Direito Constitucional – Introdução à teoria da Constituição, Braga, Livraria Cruz, 1979.

TOCQUEVILLE, Alexis de, O antigo regime e a Revolução (tradução portuguesa de BOM, Laurinda, e TEIXEIRA, Félix) Lisboa, Editorial Fragmentos, 1989.

TOUSCOZ, Jean, Direito Internacional (tradução portuguesa de MENDES, Nuno Canas) Lisboa, Publicações Europa-América, 1994.

VARELA, J. Antunes (e BEZERRA J. Miguel e NORA Sampaio e), Manual de Processo Civil, Coimbra, Coimbra Editora, 1985.

VAZ, Manuel Afonso, Lei e reserva da lei – A causa da lei na Constituição Portuguesa de 1976, Porto, Universidade Católica Editora, 1996.

WEIL, Prosper, O Direito Administrativo (tradução portuguesa de LOUREIRO, A. J. Pinto, e PINTO, M.ª G. Ferreira), Coimbra, Livraria Almedina, 1977.

Downloads

Publicado

2017-01-11

Como Citar

Cardoso, J. L. (2017). Os modos de solução pacífica de conflitos entre a administração pública e os administrados. A susceptibilidade de mediação pelo Provedor de Justiça. Lusíada. Direito, (14), 65–104. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/ldl/article/view/2382

Edição

Secção

Doutrina