Quem e como cuidam das crianças e adolescentes cardiopatas? Uma pesquisa no instituto nacional de cardiologia de laranjeiras

Autores

  • Ana Mercedes Pelosi Lagunilla

Resumo

A pesquisa que sustenta este trabalho realizou-se no Instituto Nacional de Cardiologia do Rio de Janeiro—Brasil, especificamente no sector de Pediatria cardiológica e insere-se na temática das políticas públicas sociais, especificamente nas politicas de saúde, assistência e previdência, que formam o tripé da Seguridade Social brasileira. Os direitos sociais, principalmente os voltados para as crianças e adolescentes e para as mulheres, tem sofrido nos últimos anos um intenso ataque, observável no avanço de políticas de caráter neoliberal, especialmente no Brasil. O objeto de investigação é o perfil dos cuidadores dos pacientes (crianças e adolescentes) atendidos pelo já referido Instituto. Nosso objetivo foi compreender como as políticas públicas atendem e respondem às necessidades destas famílias. O perfil dos cuidadores, que em sua maioria são mulheres, demonstram a divisão sexual do trabalho particular ao sistema capitalista, em que a mão de obra feminina incide, sem custo para o capital, a reprodução da força de trabalho. E é no trabalho doméstico que esta reprodução se dará. Nogueira (2010) e Cisne (2013) apontam que o trabalho doméstico enquanto trabalho, é que se apresenta como o sustentáculo da divisão sexual do trabalho, permitindo cada vez mais a produção e reprodução da força de trabalho para o capital. Neste sentido, verificamos com este estudo, que a partir da introdução dos benefícios dos programas de transferência de renda nas famílias, as condições materiais das famílias tiveram alguma melhora, tendo em vista as precárias condições financeiras e materiais das famílias. Desta forma, percebe-se a importância do profissional do Serviço Social na viabilização do acesso aos direitos destinados a este público, de forma que pacientes e cuidadores tenham suas necessidades minimamente atendidas, considerando-se que a maioria dos usuários possuem condições precárias de subsistência e os benefícios e políticas sociais incidem na eficácia do tratamento dos pacientes desta unidade.

Palavras-chave:

Gênero, Família, Trabalho, Políticas Sociais

Referências

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barreto, Thaís Sena Mombach, et al. (2016). Vivência de pais de crianças com cardiopatia congênita: sentimentos e obstáculos. Rev Rene. 17(1), 128-36.

Beauvoir, Simone de. (1980). O Segundo Sexo, v.I, II. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Behring, Elaine Rossetti & Boschetti, Ivanete. (2009). Política Social: fundamentos e história. 6ª ed. Bibliografia Básica de Serviço Social, v.2, São Paulo: Cortez.

Behring, Elaine Rossetti. (2008). Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2ª ed. São Paulo: Cortez.

Boschetti, Ivanete. (2006). Seguridade social e trabalho: paradoxos na construção das políticas de previdência e assistência social no Brasil. Letras Livres: Brasília.

Cellard, A. (2008). A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico.

Minayo, Maria Cecília de Souza (org.). (2010). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. (2002). Projeto Promoção da Saúde: As Cartas da Promoção da Saúde / Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde, Projeto Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Nogueira, Claudia M. (2004). A feminização no mundo do trabalho. Campinas: Autores Associados.

Nogueira, V. M. R.; Mioto, R. C. T. (2006). Sistematização, planejamento e avaliação das ações dos assistentes sociais no campo da saúde. In: Mota, A. E. et al (Org). Serviço Social e Saúde: Formação e Trabalho Profissional. São Paulo: OPAS.

Nogueira, Claudia M. (2010). As relações sociais de gênero no trabalho e na reprodução. Revista Aurora, ano IV, 6.

Publicado

2019-12-16

Como Citar

Mercedes Pelosi Lagunilla, A. (2019). Quem e como cuidam das crianças e adolescentes cardiopatas? Uma pesquisa no instituto nacional de cardiologia de laranjeiras. Intervenção Social, (53-54), 147–167. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/2917

Edição

Secção

Artigos