A Inclusão social dos migrantes

Autores

  • Aparecida Nascimento Corrêa

Resumo

Em 2015 pudemos assistir um aumento exponencial de pessoas tentando entrar na Europa, obrigadas a deixar seus países devido às guerras, à fome, à intolerância religiosa, às mudanças climáticas, violação dos direitos humanos, etc. Administrar todo esse contingente humano colocou grandes desafios aos Estados, aos diferentes organismos nacionais e internacionais, às sociedades recetoras, bem como a todos os profissionais que trabalham nos vários setores relacionados com a questão. O processo de inclusão passa pelos critérios mais básicos, como o acesso à documentação, saúde, educação, emprego, habitação. Assim sendo, a União Europeia, e mais especificamente Portugal, colocam em vigor leis, estratégias e projetos para que os migrantes sejam incluídos/integrados da melhor forma possível em seu território.

Palavras-chave:

Migrantes, Inclusão, Integração, Acolhimento, Direito

Referências

ACM (2017). Alto Comissariado para as Migrações. Acedido em 15 de outubro de 2017 em: http://www.acm.gov.pt/acm

ACNUR (2017). Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Acedido em 10 de dezembro de 2017 em: http://www.acnur.org/portugues/

Aguado, O.V. & Vélez, M.G. (1996). Trabajo social e inmigrantes: las intervenciones del trabajo social. Cuadernos de Trabajo Social, (4), p.111-119.

Amaro, M.I. (2015). Urgências e Emergências do Serviço Social Fundamentos da Profissão na contemporaneidade (2ed). Lisboa: Universidade Católica

APROSS (2017). Associação de Profissionais de Serviço Social. Acedido a 12 de outubro de 2017 em: http://www.apross.pt/profissao/defini%C3%A7%C3%A3o/

Arquivos da Instituição. Processos dos utentes do CACES de 2015 a 2018

Assembleia da República (2016). Imigração – Legislação Nacional. Lisboa: o Autor

Banks, S. (2001). Ética em Fragmentos. In. Mouro, H. & Simões, D. 100 anos de Serviço Social. Quarteto: Coimbra p. 101-121

Bouquet, B. & M. Jaeger (2011). Tensions entre mise en oeuvre des politiques migratoires et questions éthiques du travail social. Hommes et migrations, (1290), p. 10-21.

CACES (2015). Regulamento Interno. Braga: o Autor

Capucha, L. (2005). Formulação de Propostas de Conceção Estratégica das Intervenções Operacionais no Domínio da Inclusão Social. Lisboa: ISCTEC

Carvalho, M.I. (2016). Ética aplicada ao Serviço Social dilemas e práticas profissionais. Pactor: Lisboa

Comissão das Comunidades Europeias (2003). Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões - Relatório Conjunto sobre a Inclusão Social que sintetiza os resultados da análise dos Planos de Ação Nacionais para a Inclusão Social. Bruxelas: o Autor

Comissão Europeia (2017). Migração. Acedido em 12 de dezembro de 2017 em: https://ec.europa.eu/commission/priorities/migration_pt

Conselho Europeu (2017). Conselho da União Europeia. Acedido em 04 de dezembro de 2017 em: http://www.consilium.europa.eu/pt/policies/migratory-pressures/

Constituição da República Portuguesa nº1/2005 de 12 de Agosto. Sétima Revisão da Constituição da República Portuguesa de 2 de Abril de 1976. Diário da Republica nº 155/2005, Série I-A, p. 4642-4686

De Haas, I. (2005). La place des services sociaux dans les politiques d’intégration en Europe. Acedido a 19 de outubro de 2017 em : http://www.memoireonline.com/03/08/991/place-services-sociaux-politiques-integration-europe.html#_Toc114237209

Decreto-Lei nº 102/2017 de 28 de agosto. Procede à quinta alteração à Lei nº23/2007 de 4 de julho, que aprova o regime jurídico de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional e transpõe as Diretivas 2014/36/UE, de 26 de fevereiro, e 2014/66/UE, de 15 de maio de 2014, e 2016/801, de 11de maio de 2016. Diário da República nº165/2017. p.5092-5165

Decreto-Lei nº 167/2017 de 25 de julho. Recomenda ao Governo a publicação de um relatório de avaliação da política portuguesa de acolhimento de refugiados. Diário da República nº 142/2017, Série I. p.3923-3923

Decreto-Lei nº 37/81 de 3 de Outubro. Lei da nacionalidade portuguesa.

Diário da República nº228/1981 – Série I. p.2648-2651

Diário de Campo. Notas pessoais do diário de campo de estágio de Aparecida de setembro 2017 a maio 2018.

Eurocid (2017). Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Acedido em 10 de dezembro de 2017 em: www.eurocid.pt

Frontex (2017). Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira.

Acedido em 20 de outubro de 2017 em: http://frontex.europa. eu/trends-and-routes/migratory-routes-map/

Galvín, I. & Franco P. (1996). Propuesta metodológica para el trabajo social com inmigrantes. Madrid: Siglo XXI

Guélamine, F. (2007). Former les travailleurs sociaux dans le domaine des migrations. Les Sciences de l’éducation. Pour l’Ère nouvelle (40), p. 49-65.

IFSW (2017). International Federation of Social Work. Acedido em 19 de novembro de 2017 em: http://ifsw.org/publications/national-codes-of-ethics/

Imigrante (2017). Serviço de Fronteiras e Estrangeiros. Acedido em 19 de outubro de 2017 em: http://www.imigrante.pt/PagesPT/Legislacao.aspx

Martins, I.C.D. (2015). Políticas de Imigração e Integração: intervenção do Serviço Social. Revista Intervenção Social, (46), pp 57-75

Mendes, M.M. (2003). Direitos Humanos, Estrangeiros, Comunidades Migrantes e Minorias. Revista Análise Social, 38 (167), p.620-627

MIPEX (2017). Índice de Política de Integração de Migrantes. Acedido a 19 de outubro de 2017 em: http://www.mipex.eu/portugal

Moreira, C.F.N. (2014). O trabalho com grupos em serviço social. Cortez: São Paulo

OCDE (2016). Perspectives du développement mondial 2017: Les migrations dans un monde en mutation. Paris : OCDE.

OIM (2017). Organização Internacional para Migrações. Acedido em 20 de Maio 2017 em: https://www.iom.int/fr

ONU (1999). Direitos Humanos e Serviço Social. Lisboa: ISSSCoop

ONU (2009). Relatório de Desenvolvimento Humano 2009 – Ultrapassar barreiras: mobilidade e desenvolvimento humanos. Coimbra: Almedina

ONU (2016). Rapport sur le développement humain 2016 : le développement humain pour tous. New York : PNUD

ONU (2017). La Déclaration Universelle des Droits de l’Homme. Acedido em 03 de novembro de 2017 em: http://www.un.org/fr/universal-declaration-human-rights/index.html

Payne, M. (2014). Redes Sociais em Serviço Social. In. Carvalho, M.I. & Pinto, C. Serviço Social teorias e práticas. Pactor: Lisboa, p. 181-202

PDS (2016). Plano de Desenvolvimento Social 2016-2021. Braga: Rede Social de Braga

Pinho, F. (2017). Os Direitos dos Imigrantes em Portugal – Apoio e Oposição à imigração em Portugal numa perspetiva comparada. Lisboa: SOM

PMII (2015). Plano Municipal para a integração de Imigrantes no Conselho de Braga 2015-2017. Braga: Câmara Municipal de Braga

REM (2012). Glossário de Migração e Asilo – Uma ferramenta para a melhoria da comparabilidade. Luxemburgo: Comissão Europeia

SEF (2017). Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Acedido 26 de outubro de 2017 em: http://www.sef.pt

Silver, H. (2005). Políticas dos países europeus para promover a inclusão social. In. Buvinic, M.; Mazza, J. & Deutsh, R., Inclusão social e desenvolvimento económico na América Latina (p. 137-179). Rio de Janeiro: Elsevier

Publicado

2018-12-24

Como Citar

Nascimento Corrêa, A. (2018). A Inclusão social dos migrantes. Intervenção Social, (51/52), 169–195. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/2906

Edição

Secção

Artigos