CAPS – Centro de Atenção Psicossocial no processo de (re)inserção social

Autores

  • Gustavo Correia dos Santos

Resumo

Em todo o mundo nos últimos anos observa-se a transição na área de atenção à saúde mental, de maneira que o paradigma manicomial vem sendo combatido por conta de suas características violentas e excludentes. Como forma de substituição desse modelo, vem sendo empregada uma nova perspetiva, a psicossocial, a qual visa a humanização do cuidado e a inclusão social dos indivíduos. Objetiva-se com este artigo reunir informações referentes ao processo de transição ao modelo assistencial substitutivo e entender a diferenciação do modelo de tratamento hospitalar em detrimento do CAPS, focando na reinserção social. Foi realizada uma revisão de literatura utilizando as palavras-chave reabilitação psicossocial, CAPS e reinserção social. Foram selecionados artigos originais em português, inglês e espanhol, havendo limitação às publicações do período compreendido entre 1989 a 2017. A seleção considerou estudos de ensaios clínicos, revisões sistemáticas, revisões narrativas, série de casos e relatos de casos. O modelo substitutivo representou um avanço na assistência à saúde mental, porém inúmeros são os obstáculos para o funcionamento destes serviços, sendo a inclusão extra-CAPS um dos pontos mais críticos. Espera-se que se possa desenvolver atividades em conjunto com a população de forma a conscientizar essas pessoas e extinguir os preconceitos vigentes para que se possa atingir de forma ampla a tão almejada reabilitação dos pacientes.

Palavras-chave:

CAPS, Saúde mental, Reinserção social

Referências

Amarante, Paulo (1996). O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Antunes, Eleonora Haddad; Barbosa, Lúcia Helena Siqueira; Pereira, Lygia Maria de França (2002). História e arte no Programa de Saúde Mental. In: Psiquiatria, loucura e arte: fragmentos da história brasileira. São Paulo: Edusp, pp.25-32.

Antunes, Sônia Marina Martins de Oliveira et al. (2007). A configuração da reforma psiquiátrica em contexto local no Brasil: uma análise qualitativa. Cadernos de Saúde Pública.

Barros, Denise Dias. (1994). Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução de um saber. Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz, pp. 171-194.

Barroso, Sabrina Martins; Bandeira, Marina. Os serviços psiquiátricos estão atendendo as necessidades dos familiares cuidadores? In: Barroso, Sabrina Martins e Scorsolini-Comin, Fabio. (Org.). Diálogos em Psicologia: práticas profissionais e produção do conhecimento. Uberaba: Editora da UFTM (no prelo).

Barroso, Sabrina Martins; Silva, Mônica Aparecida (2011). Reforma Psiquiátrica Brasileira: o caminho da desinstitucionalização pelo olhar da historiografia. Revista da SPAGESP, v. 12, n. 1. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. 292 pp.

________ Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2001.

________ Ministério da Saúde. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, 2005

________ Ministério da Saúde. Equipe ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2. ed. Brasília, 2007.

________ Ministério da Saúde. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Brasília, 2013.

Campos, Gabriela Luíza (2014). Rumo a um novo modo de práticas psicossociais pós reforma psiquiátrica: uma análise da experiência de um caps II do sul de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/129585/328977.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em 13 jun. 2017.

Cardozo, Angélica Rozisky (2009). A reinserção social do usuário do centro de atenção psicossocial após alta. Curso de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/ handle/10183/24704/000748843.pdf?sequence=1>. Acesso em 13 jun. 2017.

Calligars, Contardo (1989). Introdução a uma clínica diferencial das psicoses. Porto Alegre: Artes Médicas.

Coimbra, Valéria Cristina Christello (2005). O acolhimento num centro de atenção psicossocial. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

De Almeida Colvero, Luciana; Ide, Cilene Aparecida Costardi; Rolim, Marli Alves (2004). Família e doença mental: a difícil convivência com a diferença. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 38, n. 2, pp. 197-205.

De Mesquita, José Ferreira; Novellino, Maria Salet Ferreira; Cavalcanti, Maria Tavares (2010). A Reforma Psiquiátrica no Brasil: Um novo olhar sobre o paradigma da Saúde Mental. In: XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, 2010, Caxambu.

Anais... Caxambu, ABEP. Mesa-redonda. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2010/docs_pdf/eixo_4/abep2010_2526.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2017.

Dimenstein, Magda (2006). O desafio da política de saúde mental: a (re) inserção social dos portadores de transtornos mentais. Mental, v. 4, n. 6.

Foucault, Michel (1995). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 4a ed.

Fassheber, Vanessa Barreto; Vidal, Carlos Eduardo Leal (2007). Da tutela à autonomia: narrativas e construções do cotidiano em uma residência terapêutica. Psicologia: ciência e profissão, v. 27, n. 2, pp. 194-207.

Ferro, Luís Felipe (2009). Trabalho Territorial em Hospitais Psiquiátricos-Construindo no Presente um Futuro sem Manicômios. Psicologia Ciência e profissão, v. 29, n. 4.

Gama, Jairo Roberto de Almeida (2012). A reforma psiquiátrica e seus críticos: considerações sobre a noção de doença mental e seus efeitos assistenciais. Physis, Rio de Janeiro, v. 22, n. 4, pp. 1397-

Gonçalves, Alda Martins; De Sena, Roseni Rosângela (2001). A reforma psiquiátrica no Brasil: contextualização e reflexos sobre o cuidado com o doente mental na família. Revista latino-americana de Enfermagem, v. 9, n. 2, pp. 48-55.

Hirdes, Alice; Kantorski, Luciane Prado (2005). A família como um recurso central no processo de reabilitação psicossocial. Rev. enferm. UERJ, pp. 160-166.

Humerez, Dorisdaia Carvalho de (1998). História de vida: instrumento para captaçäo de dados na pesquisa qualitativa. Acta Paulista de Enfermagem, v. 11, n. 3, pp. 32-7.

Lunardi, Valéria Lerch (1999). Problematizando conceitos de saúde, a partir do tema da governabilidade dos sujeitos. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 20, n. 1, pp. 26.

Koga, Mariko; Furegato, Antônia Regina (2008). Convivência com a pessoa esquizofrênica: sobrecarga familiar. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 1, n. 1, pp. 75-80.

Kyrillos Neto, Fuad (2003). Reforma psiquiátrica e conceito de esclarecimento: reflexões críticas. Mental, Barbacena, v. 1, n. 1, pp. 71-82.

Lobosque, Ana Marta (2001). Experiências da loucura. Rio de Janeiro: Garamond.

Lobosque, Ana Marta (2003). Clínica em movimento: por uma sociedade sem manicômios. Rio de Janeiro: Garamond.

Machado, Vanessa; Manco, Amábile Rodrigues Xavier; Santos, Manoel Antônio dos (2005). A recusa à desospitalização psiquiátrica: um estudo qualitativo. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 21, n.

, pp. 1472-1479.

Marzano, Maria Luisa Rietra; De Sousa, Célia Antunes C. (2004). O espaço social do CAPS como possibilitador de mudanças na vida do usuário. Texto & Contexto Enfermagem, v. 13, n. 4.

Mielke, Fernanda Barreto et al. (2009). O cuidado em saúde mental no CAPS no entendimento dos profissionais. Ciência & saúde coletiva. Rio de Janeiro, RS. Vol. 14, n. 1 (jan./fev. 2009), pp. 159-164.

Nunes, Jonas André Bueno (2005). Para além dos “muros” da Nossa Casa: a construção de uma história em movimento. Psico (Porto Alegre), v. 36, n. 3, pp. 293-298.

Nunes, Mônica et al (2008). A dinâmica do cuidado em saúde mental: signos, significados e práticas de profissionais em um Centro de Assistência Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de

Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, pp. 188-196.

Paranhos-Passos, Fernanda; Aires, Suely (2013). Reinserção social de portadores de sofrimento psíquico: o olhar de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 23, n. 1.

Da Rocha, Gilberto Santos (1989). Introdução ao nascimento da psicanálise no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Rietra, Rita de Cássia Paiva (1999). Inovações na gestão em saúde mental: um estudo de caso sobre o CAPS na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Ciências na área de Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, Fio Cruz, Rio de Janeiro.

Rosa, Lucia Cristina Dos Santos (2004). O cotidiano, as tensões e as repercussões do provimento de cuidado doméstico ao portador de transtorno mental. Saúde em Debate, v. 28, n. 66, pp. 28-37.

Rotelli, Franco et al (1990). Desinstitucionalização, uma outra via: a reforma psiquiátrica italiana no contexto da Europa Ocidental e dos “países avançados”. HUCITEC, São Paulo, pp. 17-59.

Segre, Marco; Ferraz, Flávio Carvalho (1997). The health’s concept. Revista de saúde pública, v. 31, n. 5, pp. 538-542.

Silva, J. F. da (1999). Por uma assistência psiquiátrica em transformação. Cadernos IPUB-UFRJ, Rio de Janeiro, n. 3 e 4.

Souza, Vinícius Rauber (2012). Contrarreforma psiquiátrica: o modelo hospitalocêntrico nas políticas públicas em saúde mental no Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

Tenório, F. (1999). Por uma assistência psiquiátrica em transformação: conhecer para cuidar. Cadernos IPUB-UFRJ, n. 3 e 4.

Vidal, Carlos Eduardo Leal; Bandeira, Marina; Gontijo, Eliane Dias (2008). Reforma psiquiátrica e serviços residenciais terapêuticos. J. bras. Psiquiatr., v. 57, n. 1, p. 70-79.

Wetzel, Christine; Kantorski Prado, Luciane (2004). Avaliação de serviços em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica. Texto & Contexto Enfermagem, v. 13, n. 4.

Publicado

2019-05-20

Como Citar

Santos, G. C. dos. (2019). CAPS – Centro de Atenção Psicossocial no processo de (re)inserção social. Intervenção Social, (49/50), 109–133. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/2657

Edição

Secção

Artigos