O Serviço Social e a Agenda Global: balanço prospectivo. Agenda para o Serviço Social português: que desafios para a profissão?

Maria Joaquina Ruas Madeira

Resumo


O Eng. António Guterres, indigitado Secretário-Geral das Nações Unidas e um ilustre concidadão, num dos seus discursos recentes, referia:

“Não há paz sem desenvolvimento e não há desenvolvimento sem Paz. Também é verdade que não há Paz e desenvolvimento, sem respeito pelos Direitos Humanos”. E concluiu: “No mundo de hoje, ninguém pode prosperar se não puder aproveitar o potencial de toda a gente, homens e mulheres”.

Aqui está um bom mote para falar do Serviço Social, dos seus agentes, os Assistentes Sociais e dos desafios que têm de enfrentar.

Como sabemos, os Direitos Humanos são a semente, o horizonte e o princípio organizativo do Serviço Social, a sua própria razão de existir.

Tal determina que a intervenção seja cunhada nos direitos e não nas necessidades, o que a determina a negação, por princípio, do assistencialismo.

Assim, a visão, o horizonte do Serviço Social é que ele próprio deixe de ter razão de existir, porque todos os seres humanos na terra gozam dos direitos que a sua condição humana exige. Sonho ou utopia? Talvez. Mas como diz o poeta da Arrábida, Sebastião da Gama “Pelo sonho é que vamos... Chegamos, não chegamos..?”


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Fundação Minerva - Cultura - Ensino e Investigação Científica / Universidades Lusíada, 2004-2018
Serviços de Informação, Documentação e Internet
Rua da Junqueira, 188-198 | 1349-001 Lisboa | Tel.: +351 213 611 560 | Fax: +351 213 638 307 | E-mail: revistas@lis.ulusiada.pt