A transição para a vida adulta mas...o que é ser adulto?. As práticas e representações sobre o que é ser adulto em Portugal.

Autores

  • Filomena Sousa

Resumo

Esta comunicação refere-se ao trabalho de investigação que se está a desenvolver no âmbito do doutoramento em Sociologia (ISCTE) e que pretende identificar e caracterizar as representações sociais sobre o que e ser adulto na sociedade portuguesa.

Nesta pesquisa apresenta-se um modelo de análise que assenta na representação de ser adulto de acordo com duas diferentes concepções:

Representação hegemónica (que prevalece na sociedade portuguesa) - O adulto é um estatuto a atingir e o m a obtenção de estabilidade na vida profissional, financeira e familiar. Tem por base o conceito estético e linear de adulto muitas vezes promovido por instituições como a escola e a família, contudo, considera-se que esta e uma representação que não se coaduna com a realidade das actuais trajectórias complexas, múltiplas, e estandardizadas dos jovens.

Representação emancipada - Representação que há não se apresenta como hegemónica mas sim como restrita a alguns jovens adultos/adultos da classe média/média alta urbana. Substitui o carácter pejorativo e estático do conceito de adulto pelo conceito de adulto que implica a ideia de aprendizagem continua, de auto-realização pessoal, profissional e afectiva e segundo o qual a evolução se dá de acordo com percursos complexos de avanços e recuos (Machado Pais, 2001). O adulto enquadra-se num modelo pós-moderno de transição para a vida adulta que pode ser vivido e representando segundo um modelo positivo de oportunidades, de possibilidades de escolha e experiencias ou um modelo negativo de instabilidade, incerteza, risco e marginalização (ou da rela(do que se estabelece entre estes dois modelos).

Downloads

Publicado

2014-06-25

Como Citar

Sousa, F. (2014). A transição para a vida adulta mas.o que é ser adulto?. As práticas e representações sobre o que é ser adulto em Portugal. Intervenção Social, (30), 183–200. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/1431

Edição

Secção

Artigos