Intervenção social em parceria: factores facilitadores e de bloqueio

Autores

  • Dália Costa

Resumo

As parcerias constituem uma estratégia de intervenção social emergente num contexto de transformações nas modalidades de relacionamento entre o Estado e o sector não-lucrativo na promoção de bem-estar social. Esta forma de inter-relacionamento produz efeitos sobre os arranjos institucionais formados para lidar com os problemas sociais e sobre as práticas de intervenção social. Amplamente identificada como boa pratica, a intervenção social em parceria não pode ser considerada panaceia, nem constitui um acontecimento. E um processo e não se define por regulamentação mas tem que lidar com um conjunto de factores anteriores a implementação e desenvolvimento. Tendo como referencia os contextos, estes factores contribuem para explicar as iniciativas de constituição de parcerias e justificar a sua não-emergência. Considerando as parcerias existentes em Portugal Continental que se constituíram para lidar com o problema da violência doméstica propomo-nos identificar os factores presentes na sua emergência. O objectivo e identificar os factores de sucesso (promotores e facilitadores) e os factores que actuam como barreiras (podendo mesmo representar bloqueios) no desenvolvimento de parcerias entre os actores sociais que compõem o sistema e intervenção social que lida com a problemática da violência doméstica.

Palavras-chave:

Intervenção social, Parceria, Violência domestica

Downloads

Publicado

2014-06-24

Como Citar

Costa, D. (2014). Intervenção social em parceria: factores facilitadores e de bloqueio. Intervenção Social, (35), 197–222. Obtido de http://revistas.lis.ulusiada.pt/index.php/is/article/view/1411

Edição

Secção

Painel 3: intervenção social com famílias